Voltar    
  BRINCANDO DE BIBLIOTECA COM PROGRAMA LITERÁRIO  


Dinorá Couto Cançado - FAC/Secretaria de Cultura do DF

Justificativa

Foi-se o tempo que as bibliotecas escolares funcionavam apenas no atendimento à pesquisas e empréstimo de livros. Hoje, elas se inovam, realizando várias atividades culturais, sendo verdadeiros espaços de cultura nas escolas.

Depois de atuar alguns anos com cursos e oficinas para professores regentes de classes e professores atuantes em bibliotecas, o projeto Brincando de Biblioteca com programa literário foi criado para atender alunos do ensino fundamental, para que eles multipliquem a prática da leitura, atividade fundamental nas bibliotecas. Faltam profissionais nas bibliotecas escolares e, muitas vezes, estas são fechadas e os professores voltam para regência de classe. Alunos incentivando alunos para leituras, o resultado, com certeza, é mais rápido e eficaz. O incentivo à leituras é a necessidade mais urgente nas escolas, todas solicitam ações nesse sentido, só a cidade de Ceilândia enviou ofício pedindo oficinas para suas 83 escolas. Os alunos participantes, futuros Multiplicadores de Leituras, levam essa experiência para casa e para a comunidade, além de contagiarem seus colegas para os benefícios da leitura. Todos se sentem valorizados na oficina, demonstram seus talentos em várias manifestações artísticas, além de receber certificado, ao final, reforçando a sua nova função na escola – a de multiplicar leituras. Além de provocar o lado artista de cada aluno, as leituras acontecidas nas oficinas possibilitam um verdadeiro espetáculo literário/cultural/educacional/social exemplar. Os alunos avaliam, por escrito, demonstrando bastante comprometimento e querendo somente aulas assim, diferentes, gostosas, melhores, enfim, prazerosas.

Objetivos

Formar alunos-multiplicadores de leituras nas escolas públicas.

Estender a prática de brincar de biblioteca em casa e na comunidade.

Estimular a leitura por prazer, por meio de atividades lúdicas.

Substituir atividades que geram violência nas escolas, por recreios culturais de brincarem de biblioteca.

Divulgar a literatura brasiliense e outras obras nacionais, por meio de 72 obras trabalhadas nas oficinas.

Capacitar alunos para atuarem como platéia e como apresentadores de programas literários.

Desenvolver o hábito de trabalharem em equipes.

Descrição da ação

O Projeto “Brincando de Bibliotecas com Programa Literário” consiste numa série de oficinas ministradas na rede pública de ensino do DF. Surgiu da necessidade de capacitar alunos para atuarem como multiplicadores de leituras na escola, em casa, na comunidade. Pelo 3º ano consecutivo, contam com o apoio do FAC – Fundo da Arte e da Cultura, programa de incentivo aos artistas locais da Secretaria de Cultura do Distrito Federal.

Setenta e duas obras de literatura infantil são distribuídas em seis minibibliotecas (caixas criativas) e os alunos participantes apreciam, lêem, planejam e apresentam um programa literário. Neste programa várias linguagens artísticas são trabalhadas, de acordo com as obras apresentadas, destacando-se o teatro e a música. Cartazes são feitos pelos grupos para compor e enriquecer um varal criativo, previamente colocado no cenário da oficina. As equipes de trabalho organizam-se em tempo cronometrado, escolhendo funções para criação de Programa, de acordo com cartaz explicativo em cada grupo: apresentadores, atores, cartazistas, cronometristas, críticos, humoristas, investigadores, jornalistas, jurados. Esse momento da oficina, intitulado de ações compartilhadas, é precedido de uma sensibilização, na qual livros resultantes de experiências literárias (Revolucionando Bibliotecas e Revelando Autores em Braille) são mostrados; cenário com fantoches e cartazes é apreciado e debatido. Após as ações nos grupos, os alunos voltam à posição de platéia, para assistirem os espetáculos culturais, preparados e apresentados por eles. Ao final, acontece um show de alunos-talentos na música, na poesia, no teatro, na dança ou outra linguagem artística, vestidos com uma capa de “Artista”. Avaliam a oficina, registram seus nomes, recebem certificados e dicas do projeto para assumirem a missão de “Multiplicadores de Leituras”.

Público atingido e resultados alcançados

Vinte e seis escolas já foram atendidas em 2003 e 2004, com mais de 1400 participantes do ensino fundamental (3ª a 6ª séries), em 14 cidades do DF. As oficinas têm 3 horas de duração, com 3 momentos: sensibilização prévia, ações compartilhadas e tomada de decisão e contam, sempre, com a presença de, pelo menos, 2 professores para facilitarem a continuidade do projeto na escola.

Os objetivos da proposta “Brincando de Biblioteca” vão se fortalecendo frente às diferentes realidades vivenciadas no DF: formar alunos-multiplicadores de leituras nas escolas e estender essa prática em casa e na comunidade; estimular a leitura por prazer; substituir atividades que geram violência na escola por recreios culturais; divulgar a literatura brasiliense e outras obras nacionais; capacitar alunos para participarem como platéia e como apresentadores de programas literários; aperfeiçoar o hábito de trabalho em equipe; descobrir talentos artísticos, por meio da literatura; dinamizar as bibliotecas, tornando-as verdadeiros centros culturais. Alguns resultados alcançados, além dos objetivos citados, confirmam o êxito dessa ação nas escolas, tais como: construção de minibibliotecas em várias escolas; melhoria nas produções literárias e na prática da leitura; reforço na educação inclusiva, com vários alunos de necessidades especiais se destacando; aumento de pedidos pelas oficinas; vários alunos-destaques em recitais poéticos, música, teatro, dança; mais de 100 cartazes e programas literários sobre as obras trabalhadas.

Resultados esperados em 2005

Que mais de 500 alunos sejam atendidos nas 12 oficinas pedidas ao FAC/Fundo da Arte e da Cultura e mais de 24 professores participem (pelo menos 2 por escola, para facilitar a continuidade da ação).

Que o Projeto seja apresentado na Feira do Livro de Brasília para professores e pais interessados e também no 15º COLE – Congresso de Leitura, na UNICAMP/SP, no Seminário de Biblioteca Escolar.

Que o Conselho do FAC/SEC aprove cada vez mais estas oficinas, para que nos próximos anos possa atender maior número de escolas públicas.

Que, com a divulgação que há na Imprensa, escolas particulares reivindiquem a oficina e surjam também outros patrocinadores. Que o Projeto possa ser levado a outras cidades. O Projeto está cadastrado no Vivaleitura do Ano Ibero-Americano da Leitura do Ministério da Cultura (www.vivaleitura.com.br).

Estratégias

Nova inscrição no FAC/Secretaria de Cultura, com atualização de currículo e atividades comprobatórias para obter o cadastro de Agente Cultural, com validade para 2 anos.

Entrega de projeto para o ano vigente e espera do resultado/aprovação (sempre aprovam para o 2º semestre). Listagem e contato com as escolas ou bibliotecas públicas para sediarem as oficinas.

Realização das 12 oficinas pedidas, com cronograma de local, data e horário, bem como release enviado à Imprensa local e site da Secretaria de Educação.

Retorno em algumas escolas que realizam oficinas para repassarem a outros alunos.

Prestação de contas com relatórios, fotos, listas de participantes, avaliações escritas `a Diretoria de Bibliotecas Públicas/Secretaria de Cultura DF – responsável pelo acompanhamento da execução do Projeto, prestando contas, ao final de cada ano, ao FAC.

Apoios

FAC-Fundo da Arte e da Cultura/Secretaria de Estado de Cultura do DF

Escolas públicas da Secretaria de Estado de Educação do DF.

 
Voltar