Voltar    
  BUSCANDO CAMINHOS ATRAVÉS DA ANÁLISE DAS PRODUÇÕES DOS ALUNOS

Maria Luiza Martins Costa - Cooperativa Educacional Colégio Paulo Freire de Jundiaí

"Aprender a ler e escrever já não é, pois, memorizar sílabas, palavras ou frases, mas refletir criticamente sobre o próprio processo de ler e escrever e sobre o profundo significado da linguagem.” FREIRE, Paulo. Ação Cultural para a Liberdade e outros escritores, Ed. Paz e Terra, RJ, 1982, P.49.

Este trabalho surgiu como proposta durante a assessoria de Língua Portuguesa, no ano de 2003, do Colégio Paulo Freire. A escola sentia necessidade de uma análise mais objetiva da escritura dos alunos dos 3ºs e 4ºs Ciclos, visava buscar melhorias nessa escrita e atualizar o professor em seu campo de atuação, por isso recorreu à assessoria.
No primeiro encontro, definiu-se como ponto de partida, a realização de um levantamento diagnóstico de problemas de escrita que seriam apresentados em um quadro para cada texto, de modo que se pudesse visualizar as principais dificuldades que os alunos apresentavam. Neste caso específico, a análise incidiu sobre os textos de todos os alunos da 6ªs séries A e B.
Com esse objetivo traçado foi sugerida a leitura de LÜDKE e ANDRÉ, ( ? ),o capítulo três, que traz orientações de como registrar e anotar dados durante uma observação. (As anotações seriam feitas durante a produção do texto e a realização de atividades que seriam desenvolvidas com o objetivo de solucionar problemas de escrita).
A primeira proposta de produção de texto com esse objetivo de análise foi feita em fevereiro de 2003, às 6ªs séries A e B, do período da manhã, turmas numa faixa etária de 10 a 12 anos, que estudam juntos desde as séries iniciais. Todos têm acesso a livros, a bibliotecas, a bancas de jornais e revistas, à Internet, e pertencem a um nível sócio-econômico de classe média. Nota-se como característica principal do grupo a alegria, a união e a solidariedade entre eles.
O tema sugerido foi os Heróis, já que se estuda a Mitologia Grega na primeira unidade do livro adotado Português Linguagens de William Roberto Cereja e Thereza Cochar Magalhães.
A sugestão feita aos alunos consistia em escrever uma narrativa com os heróis preferidos do mundo real ou do mundo imaginário como os da televisão, das histórias em quadrinhos ou dos livros que já tivessem lido.
As classes responderam positivamente ao estímulo. Alguns alunos já tinham lido algumas obras da mitologia, como Os doze trabalhos de Hércules, outros já conheciam alguns mitos, dentre eles Dédalo, Ícaro, Perseu, Pandora, Ulisses. Envolvidos num assunto de seu conhecimento, demonstraram boa disposição em fazer o texto e pontualidade na entrega.
Após trocarem idéias sobre seus heróis prediletos, seguiram-se as explicações para a escritura da narrativa e o objetivo do texto escrito. A aceitação veio de todos, deixou-se bem claro que seus textos seriam objeto de análise e, juntos, posteriormente, estaríamos reconhecendo as falhas que necessitariam de um estudo mais cuidadoso.
Durante o momento de escrita, alguns comentários feitos pelos alunos foram anotados e aqui são reproduzidos, procurando ser bem fiéis às suas falas e às observações da professora.

Anotações da 6ª série A
Alguns alunos perguntaram se o herói poderia ser real como pai ou mãe, ou imaginário como os heróis dos desenhos de tevê, de histórias em quadrinhos.
A. logo escolheu os palhaços de rodeio, outros fizeram brincadeiras pela sua escolha, chegaram a citar Thandbirds, Charles Chaplin, os bombeiros, Xuxa, etc.
M. B. perguntou se eu conhecia um herói Samurai e se poderia escrever sobre ele.
M. disse-me, com ar maroto, que seu herói era Hitler. Fiquei espantada e perguntei porque ele o escolhera, e ele brincando completou: "Meu herói é o Tom Hanks no filme O resgate do soldado Ryan". Durante a escrita perguntara-me como se escrevia Ryan.
A., que não pára um segundo, perguntou como escrevia existia, se com z ou x.
V. disse que em seu texto ele teria um envolvimento com o seu herói, o herói o salvaria de uma enrascada.
Conversaram durante dez minutos, entusiasmados.
M. N. perguntou se poderia contar a história como ele sendo o herói, ou se poderia escrever somente sobre o herói. Deixei-o escolher a opção que mais lhe agradasse.
Precisei chamar a atenção da classe, pois o entusiasmo cresceu muito e alguns se queixaram que não conseguiam escrever com o barulho.
A classe sossegou e só se ouvia o ruído do ventilador e o burburinho da classe vizinha.
M. B., R. e V. trocaram idéias sobre os heróis que tinham escolhido, riram e fizeram gozações.
V. trouxe sua produção feita e perguntou-me se dez linhas seriam suficientes. Respondi-lhe que se achava que o seu texto estava completo e estava satisfeito, então estava bom.
M.quis saber como se escrevia shopping.
Interessante, até agora perguntaram sobre palavras em inglês, heróis americanos, grata influência da televisão e do cinema e uma sobre o personagem Chaves, de um seriado televisivo, onde o personagem diz túcia. Queriam saber se era astúcia. Orientei-lhe a escrita túcia> astúcia.
G. C. não sabia o que escrever. Perguntei-lhe se possuía algum herói e ele disse que era o seu pai. Sugeri que falasse sobre o trabalho dele, seus valores, o por quê da admiração. Pareceu-me satisfeito.
Estavam preocupados com os títulos que dariam.
A. cantou por algum tempo, canções que falavam sobre rodeios e peões quando percebeu que estava passando sua produção a lápis, ficou bravo consigo mesmo e resolveu consertar.
Quiseram colocar o título de outra cor, estavam preocupados em escolher um bom título.
A. continuou cantando "Quando a luz dos olhos meus..." referência à novela das 20 horas, de uma emissora nossa, bastante conhecida, foi repreendido pela M., que segundo ela, ele "enchia".
Contaram as linhas escritas, pois havia explicado que se o texto fosse muito curto, eu não teria elementos para a minha análise. Trouxeram suas produções para que eu as lesse e corrigisse, mas deixei-lhes claro da necessidade de possuir a escrita deles, sem a minha revisão.
Perguntaram: "E se tivermos muitos erros de escrita? Se tiraria pontos?" Expliquei mais uma vez que essa produção eu estaria analisando as dificuldades ortográficas, observando os parágrafos e não estaria preocupada com a nota.
V. resolvera aumentar o seu texto e não sabia escrever captar , expliquei-lhe que era com p mudo.
M. perguntou que horas eram, pois estava preocupa com o tempo que lhe restava para passar a limpo.
Perguntei se havia algum aluno que ainda não conseguira desenvolver a escrita, mas todos responderam que sim, seus textos estavam quase prontos. Num período de duas aulas de 45 minutos.
Contei-lhes num determinado momento da aula, quais foram e são meus heróis. Na infância, Popeye, Batman, Zorro, Pedrinho (Sítio do Pica-pau Amarelo), alguns heróis de filmes e hoje, percebo que meus heróis são os personagens dos livros que estou lendo. Se eu gosto deles, envolvo-me com suas vidas, fico até triste quando a leitura termina, é como se eu tivesse que me despedir deles.
Saindo para o recreio, G. C. veio me contar sobre seu pai. Disse-me que era uma pessoa "super" nervosa, estourada, triste e que depois, com a ajuda dos filhos, foi mudando, tornou-se mais paciente e isso para ele, G., foi uma vitória que o pai conquistou, sendo inclusive, o herói de sua narrativa.
Antes do sinal do término das aulas dois alunos quiseram ler seus textos em voz alta para toda a classe.

Anotações da 6ª série B:
A mesma proposta foi feita à 6ª B. A classe discutiu bastante o tema.
Eles estavam em grupos (trabalho efetivado na aula anterior) pediram para continuar como estavam.
Consenti (mas me arrependi), esta classe é muito prosa e por eu ter sido muito solicitada, fiz poucas anotações durante a escrita.
Contavam sobre seus heróis de forma desorganizada, todos falavam ao mesmo tempo, riam alto, falavam interrompendo a escrita alheia. Fiz várias interferências quanto à desorganização e conseqüentemente não conseguiram escrever o texto durante a aula, nem passaram a limpo, levaram para casa e trouxeram no dia seguinte.

As próximas tarefas foram examinar onde se encontravam as maiores dificuldades de escrita apresentadas nas produções e confrontar com o Plano de Ensino. Dessa confrontação, observar se o plano atendia com os conteúdos propostos, as dificuldades detectadas. Caso contrário, realizar as adaptações necessárias. A seguir, escolheram-se os problemas que seriam solucionados, construíram-se as atividades de reflexão que deveriam dar conta dessas falhas, o que seria observado em uma nova produção de texto.
A primeira análise fez parte de um quadro onde foram observados os seguintes elementos: o título, a estrutura do texto, a pontuação, a acentuação, o uso de letras maiúsculas, repetições, ortografia, desconhecimento de regras gramaticais básicas entre outras.
Antes de se partir para a análise das produções, algumas observações se fazem necessárias. Relata-se daqui o andamento da aula a partir das anotações feitas com base em Ludke e André. Durante a escrita, percebeu-se o encaminhamento da aula com uma dinâmica, uma troca de conhecimento e de afetividade entre professora e alunos. Notou-se a língua sendo trabalhada e discutida de forma viva e interessante, e esse momento de escrita passou a ter um sentido: “o ato de escrever para avaliar-me como aluno”. É o momento de se refletir sobre as aulas de língua que se têm dado, nas quais atividades de fixação e repetição, em geral com exemplos desprovidos de sentido, são retirados de um texto que não o do aluno, muitas vezes isolados e analisados sempre como uma língua que não fosse nossa.
Após essas reflexões, é necessário considerar a escrita dos alunos, observando onde desconhecem aspectos da língua padrão, sem necessidade de um massacre gramatical. Por conta desse desconhecimento que a análise diagnóstica apresentou, que se construíram as atividades a serem desenvolvidas em sala de aula. Dessa maneira, nos momentos dedicados à análise dos dados da língua, o professor deve ir além da mera nomeação e classificação dos fatos, selecionando o que vai ser enfocado, não estritamente dentro do que foi planejado, mas de acordo com as produções da classe.
SILVA et al (1986), já verificaram a necessidade de o professor estar atento e sensível às produções dos alunos, àquilo que elas nos mostram e nos escondem do conhecimento e da capacidade lingüística individual destes.
Para atender a essa necessidade que se analisou os textos dos alunos das 6ªs séries, fazendo-se um levantamento das irregularidades apresentadas em suas narrativas.
Foram avaliadas quarenta e seis produções cujos quadros encontram-se anexados no final do trabalho. Aqui, apresentaremos apenas as produções de quatro alunos, com seus respectivos quadros por representarem uma espécie de síntese das falhas presentes nos textos de toda a turma. São os quadros 04, 08, 28 e 30, da primeira avaliação, alunos N., V.A., L. e B.. Posteriormente, apresentaremos os textos e os quadros referentes à 2ª e 3ª produção dos alunos. Ou seja, em três momentos teremos uma avaliação dessas escritas: uma no mês de fevereiro, (texto 01), chamada diagnóstica, conforme explicações dadas; uma no mês de junho, (texto 02), uma produção avaliativa da metodologia utilizada até o momento e, a última, (texto 03) no mês de outubro, como uma constatação dos resultados obtidos
Texto 01 – Aluno N.
O HOMEM-ARANHA

1 Era uma vez um estudante chamado Peter Parker. Ele era um rapaz muito inteligente, mas também um rapaz bem zuado.
Peter Parker era uma pessoa comum como qualquer outro até hoje.
Hoje Peter foi a uma escursão com sua escola, num laboratório.
5 No laboratório estavam fazendo várias experiências, uma delas era modificar a capacidade de algumas aranhas exemplo: a aranha poder pular 40 vezes sua própria altura, teias muito resistentes, mais agilidade, mais força e um sentido de perigo.
No laboratório tinha 15 aranhas só que 1 tinha fugido e essa aranha picou Peter. Nesse dia Peter começa a passar mal e quando volta para casa, cai num sono.
10 No dia seguinte Peter começa perceber algumas mudanças, parece estar mais musculoso e forte, consegue enchergar bem sem os óculos. Então se passa mais um dia na escola. Logo após a escola, Peter começa a entender tudo e descobre seus poderes.
Então Peter resolve ir num ringue lutar, luta livre com um lutador profissional, para ganhar 3.000 dolares só que depois que Peter derrota o lutador, o diretor do local que aconteceu a luta, não 15 quis lhe dar o dinheiro e o manda embora, Peter com raiva vai indo embora e o diretor ao mesmo tempo está sendo assaltado. O ladrão foje e Peter não o detem, com raiva do diretor.
Depois Peter descobre que seu tio Ben foi morto por um ladrão. Peter fica furioso e vai atraz do ladrão.
Peter detem o ladrão, mas descobre que foi o mesmo ladrão que tinha deixado fugir.
20 Então desse dia em diante resolve combater o crime se denominando HOMEM-ARANHA

Segue análise:
(quadro 04)

Aluno: N.  Fevereiro/2003

Apresentou um texto com uma letra legível e no final um lindo desenho bem colorido de seu herói favorito: o homem aranha.

Estrutura da narrativa: início:  Era uma vez ... L. 1

Repetição: rapaz L 2

                  lutar, luta livre L. 13

                  substantivo próprio:Peter (em todo o texto)

                   ...Peter descobre que seu tio Bem foi morto por um ladrão. Peter fica furioso e vai atraz do ladrão. L.17 e 18

                   Peter detem o ladrão, mas descobre que foi o mesmo ladrão que tinha deixado fugir. L.19

Pontuação:,Peter foi a uma escursão....L.4

                 , estavam fazendo várias experiencias...L.5

                 , exemplo L. 6

                 , tinha 15 aranhas L.8

                 , Peter começa perceber L. 10

                 , Peter resolve ir num ringue lutar L.13

                 .Só que depois que Peter L. 14

                 . Peter com raiva L. 15

                 , Peter descobre L.17

                 Então, desse dia em diante, L. 20

Mais de uma letra para representar um só som: escursão> excursão L.4

                                                                            Atraz>atrás L.17

                                                                            Enchergar>enxergar L.11

                                                                            Foje>foge L.16

Acentuação: experiencia, propria, oculos, dolares

 Conectores: pr. relativo:  ...o diretor do local que aconteceu a luta...> onde aconteceu a luta L.14

Acentuação diferenciada para o  verbo deter :  singular e plural: ele detém# eles detêm L.16 e 19

Marcadores temporais: até hoje.L.3

                                      Hoje... L. 4

Referência ao lugar anafórico: No laboratório L. 8 > Lá...

Numeral: 40 vezes L.6

                15 aranhas L. 8

                  1 tinha fugido L.  8

Plural: tinha 15 aranhas L. 8

Estrutura da oralidade: ir num ringue L. 13

                                     Peter com raiva vai indo embora L. 15

                                     zuado L.2

Texto 01— Aluno V.A.
SPIDER –MAN

1 Certo dia em Spick City, cerca de 15 traficantes estavam aterrorizando a cidade, mas ali eles não sabiam que existia o Spider-man, um homem que quando era criança foi picado por uma aranha venenosa, e isso fez com que ele virasse o Spider-man (homem aranha) o herói da cidade.
Já era quase 10:00h da noite e os traficantes entraram em ação, mas o Spider-man recebeu 5 um aviso e saiu rapidamente em busca de capturar os traficantes, 4 deles se espantaram, mas o Spider-man logo deu um jeito neles. Os outros 11 mal sabiam que ninguém na historia de Spick City conseguiu derrotar o Spider-man, mas eles não estavam nem ai, começaram da tiro, nenhum acertou, e o Spider-man muito ágil derrotou todos que vieram. Enfim faltava o chefe da gangue,i, o Spider-man só prendeu ele na sua teia e foi embora.
10 Então na manhã seguinte o Spide-man acordou vitorioso e todos os moradores felizes.

Segue análise:

(quadro 08)

Aluno: V. A. Fevereiro/ 2003

Apresentou título, o nome do herói, como é conhecido, em inglês e em vermelho.

 Recuo de parágrafo e letra legível.

Introdução da personagem com marcador temporal: Certo dia L. 1

Um texto com apenas três parágrafos, onde o terceiro é longo, como uma descrição de uma cena de um filme.

Pontuação: , em Spick City L.1

                  . Mas, ali, L.1

                  Spider-man (homem aranha), o herói L.3 (uso inadequado dos parênteses)

                  . Spider-man recebeu um aviso L. 4

                 . 4 deles se espantaram L.5

                  , mal sabiam L.6

                   .Começaram da tiro L. 7

                   ,faltava o chefe da gangue  L. 8

                   , na manhã seguinte, o Spide-man...L. 10                

Acentuação: heroi, éra, historia, ai>aí

Estrutura da oralidade: " ...Saiu rapidamente em busca de capturar os traficantes..."L 6

                                      "...mas eles não estavam nem aí..."L 7

                                      "...começaram da tiro...” L. 7

                                       um homem que quando era criança L.2

Uso do pr. pessoal reto no lugar de oblíquo: só prendeu ele L. 9 > só o prendeu

Numeral: 15 traficantes L. 1

                4 deles L. 5

               11 mal sabiam L. 6

Transposição da fala : i>e

Troca fonética: j>z (letras mal traçadas)

Uso inadequado de vocabulário: verbo: se espantaram> enfrentaram (?) L. 5

Concordância: já era quase 10:00h> já eram quase 10:00 horas L4

Texto 01 — Aluna L.
4 ESPIÃS + Q+QD+

1 Um belo dia na cidade de Corlêndia, depois de uma semana de trabalho e estudo as: 4 espiãs +Q+QD+, Luíza Torre de Pizza, a Iza, Malu Sagu apelido Gugu, Vive Lili e Maruca maluca, apelido Ruruca, foram se divertir um pouco. Resolveram ir ao parque de diversões DIVERSÃO A VISTA.
5 —Tive uma idéia ótima!—disse Malu Sagu.— Vou convidar minhas amigas para irmos ao parque de diversões!
Depois de tudo foram se encontrar. Maruca desta vez não estava de rosa, e sim com um vestidinho azul, salto alto, anel, colar, brinco, óculos escuro e bolsa. Bem é o jeito dela o que narradora posso fazer !?
10 Já Malu Sagu como sempre usando chapéu, não sei como ela consegue usar chapéu nesse calorão! Ei mas não é só isso estava de bota e meia ¾! É doida mesmo, pirou!!!
Vivi Lili pronta pra brigar calsa, sandália, brinco cabelo amarrado e uma bolsinha.
Luíza Torre de Pizza estava pronta para bater perna: tênis, camiseta, saia, rabo de cavalo e blusa na cintura (não sei pra que, nesse calor
15 Bem mas isto não interessa. Chegando ao parque estavam muito bem comendo, andando, conversando, brincando, até que de repente um grupo de pessoas esbarram nelas. Vivi então gritou:
—Sua mãe não te deu educação não? Volte aqui se for homem!
Como não voltaram Iza falou:
— Bem que eu eles meio gays.
20 Ruruca vê uma coisinha brilhando no chão:
— Ei, é uma moeda acho que caiu daquele cara.
Logo a polícia chega e pergunta:
— Vocês viram um grupo de pessoas fugindo?
Malu Sagu pensa um pouco e diz:
25— Fugindo, moedas, só alguém nesse mundo capaz de roubar apenas moedas, e esse alguém é o
— CAPITÃO CHARLATÃO — Disseram todas em coro.
— Vamos meninas está na hora das 4 espiãs +Q+QD+ entrar em ação! — falou Iza.
Saíram depressa em direção ao ladrão.
— Ei elas não responderam nossa pergunta! — falou o policial indgnado.
30 Elas resolveram se separar cada uma para um lado: Vili para Norte, Isa para leste, Gugu para oeste e Ruruca para Sul.
— Vamos nos encontrar aqui daqui meia hora — disse Ruruca
Vivi Lili foi para a ala de brinquedos aquáticos, Isa nos radicais Malu Sagu nos infantis e Ruruca nos cinemas 3D e teatros.
35 Depois de meia hora elas se encontraram sem nenhuma Pista além de algumas moedas, mas não significava muita coisa porque qualquer um pode perder moedas.
Estavam meio felizes meio tristes. Tristes por não achar o ladrão felizes por andar em vários brinquedos. E enquanto conversavam ali bem no nariz delas estava o CAPITÃO CHARLATÃO comprando um sorvete, foi quando Malu Sagu falou:
40 — Vamos pegálo!
— Não sei, é a minha escova, ela pode estragar.— Falou Ruruca
Isa respondeu:
— Que se exploda a sua escova! Vamos!!!
Então elas agarraram o CAPITÃO CHARLATÃO e seus capangas, eles foram presos e
45 condenados a muitos anos de prisão. E assim tudo ficou tranqüilo. (até o próximo misterio)!
FIM


(quadro 28)

Aluna: L. Fevereiro/ 2003

Apresentou um título diferente: 4 espiãs +Q+QD+. Parágrafos com recuo no narrador e  sem recuo quando tinha diálogo, no uso dos travessões. Apresentou no final de seu texto um desenho criativo e colorido com as personagens criadas.

Pontuação:  , na cidade de Corlêndia... L. 1

                    , as 4 espiãs...L.1

                    , apelido Gugu ...L. 2

                    , foram se encontrar. L.7

                    , e sim, com um vestidinho...L. 7

                    , é o jeito dela, ...L. 8

                    , como sempre, ...L. 10

                    Ei, mas não é só isso, ... L. 11

                    Vivi Lili, pronta pra brigar: calsa,... L. 12

                    (não sei pra que, nesse calor!) L. 14

                    Bem , mas isto não interessa. L. 15

                    , estavam muito bem, comendo...L.15

                    , um grupo de pessoas... L. 16

                    , não? Volte aqui, se for homem! L. 17

                    , Iza falou: L. 18

                    , acho que caiu daquele cara....L.21

                    , está na hora das 4 espiãs ...L. 27

                    , elas não responderam...L.29

                    , daqui meia hora. — disse Ruruca. L. 32

                    ,Malu Sagu...L. 33

                    , elas se encontraram...L. 35

                    , porque qualquer um pode ...L. 36

                    ,meio tristes. L. 37

                    , felizes por andar...L. 37

                    , enquanto conversavam, ali, bem no nariz delas, estava o ...L.38

                    —Falou Ruruca. L. 41

                    (até o próximo mistério!) L. 45     

Mais de uma letra para representar o mesmo som: calsa>calça

                                                                                  diverções>diversões

Estrutura da oralidade: Vamos nos encontrar aqui daqui meia hora...L 32

Acentuação: aquaticos, varios, misterio

Segmentação: pegalo>pegá- lo L. 40

Pulou palavras:  Depois de tudo foram se encontrar...> Depois de tudo combinado, ...L. 7

                           Bem é o jeito dela o que narradora posso fazer? >Bem, é o jeito dela, o que eu narradora...L. 8,9

                           —Bem que eles meio gays.> Bem que eu acho eles meio gays! L. 19

Uso de numeral: título : 4 espiãs L. 27

Letras maiúsculas no meio da frase: Disseram L. 26

                                                           Falou L. 41

                                                           Pista L. 35

Concordância:  óculos escuro> óculos escuros L. 8

                         Um grupo de pessoas esbarram nelas > esbarra L. 16

Texto 01— ALUNA B.
Super Choque

1 Um dia Vangel acordou, foi tomar café, escovou os dentes e foi para a escola, encontrou seu amigo e os dois foram juntos. Vangel iria convidar uma amiga que ele gostava muito para ela ir ao baile com ele.
Vangel disse:
5— Oi! Você quer ir ao baile comigo esta noite?
Antes dela responder, chegou o pior inimigo de Vangel, Roger. Ele disse:
— Sai pra lá ela irá ao baile comigo.
Ele pegou Vangel e o jogou no armário. Quando ele ia dar um soco em Vangel, seu amigo chegou e pois o Roger para correr.
10 Vangel estava voltando para sua casa quando Roger apareceu em sua frente, Vangel saiu correndo e entrou em um lugar que não tinha saída. Roger encheu o Vangel de pancada até que seu amigo chegou com sua gang. Roger saiu correndo e deixou Vangel jogado no chão. Seu amigo afalou:
— Entre em minha gang, assim ele vai parar de te amolar.
15 Quando Vangel estava jantando seu pai lhe perguntou o que tinha acontecido, Vagel falou que ele estava jogando bola e caiu. Vangel estava em seu quarto e o telefone toca. Ele atendeu, era seu amigo, ele disse:
— Venha à fábrica de produtos toxicos.
Vangel chegou lá, seu amigo lhe deu uma arma más ele a jogou no rio, derrepente a polícia 20chegou e começou a atirar, os tiros acertaram os tambores de gases que começaram a sair, todos desmaiaram. No dia seguinte no hospital, todos estavam estranhos inclusive Roger, ele começou a soltar poderes de fogo. Vangel acordou, saiu da cama e o lençol não queria desgrudar dele, Vangel foi fazer a barba e o barbiador ligou sozinho, ele se olhou no espelho e viu que ele estava com raios em volta dele aí ele descobriu que ele tinha poderes. Ele escolheu uma roupa e um nome Super
25 Choque. Ele pegou uma tampa de lixo, foi à escola e ajudou a fazer os preparativos do baile. Vangel estava indo embora quando viu Roger destruindo uma loja aí o Super Choque e ele começaram a brigar. O Super Choque ganhou. No dia seguinte, sua amiga falou que aceitava ir ao baile com ele, ele ficou muito feliz e, os dois foram juntos ao baile.
FIM

(quadro 30)

Aluna: B. Fevereiro / 2003

Apresentou letras maiúsculas com substantivos próprios, letra legível e título.

Recuo de parágrafos: não há recuo de parágrafos com os travessões. L. 7,14,18.

Pontuação: ...Quando Vangel estava jantando seu pai lhe perguntou...L 22

                 

Transposição da fala: barbiador>barbeador

                                   descobrio>descobriu

                                   pois>pôs (v. pôr)

Segmentação: derrepente>de repente

Acentuação: más> mas

                    Toxicos

Numa análise do conjunto dos quadros, observou-se a repetição de algumas falhas de escrita:
• problemas com a ortografia: confusão quando há mais de uma letra para representar o mesmo som, exemplos: calsa>calça, escursão> excursão, atráz>atrás, enchergar>enxergar, foje>foge; desconhecimento das regularidades contextuais em certas palavras: quadro 03: pesoa>pessoa, quadro 5: sepre>sempre, ningém>ninguém; palavras/frases escritas com a estrutura da oralidade: quadro 4: ir num ringue >ir ao ringue, quadro 8: mas eles num estavam nem aí, quadro 18: Num dia de tarde eu tava andando de bicicleta que quando derepente aparece os ladrões e pegaram eu e daí o SP e o SC vem me salvar...; numerais: quadro 8: 15 traficantes, 4 deles, quadro 28: 4 espiãs; segmentação inadequada: quadro 28: pegalos> pegá-los, quadro 30: derrepente> de repente, quadro 38: em bora> embora, com migo>comigo, quadro 42: em quanto>enquanto, porisso> por isso; trocas fonéticas: quadro 19: t>d, garando>garanto, quadro 21: totos>todos, quadro 26: f>v; fou>vou; uso de maiúsculas no lugar de minúsculas e vice-versa: quadro 28: — Falou Ruruca., quadro 17: referência aos personagens Gordo e Magro em letras minúsculas.
• pontuação inadequada: falta de ponto final; ponto de exclamação; ponto de interrogação; vírgulas; excesso do uso dos parênteses. Em todas as produções analisadas. (Observar análise do quadro 28, principalmente).
• falta de acentuação: quadro 4: experiência>experiência, própria>própria, óculos>óculos,dólares>dólares;quadro 8: herói>herói,éra.era,historia>história,
quadro 28: mistério>mistério,vários>vários, ai>aí, quadro 30: más>mas.
• ausência de concordância verbal e nominal: quadro 8: já era quase 10 horas>já eram quase dez horas, quadro 28: um grupo de pessoas esbarram nelas> um grupo de pessoas esbarra nelas, quadro 14: eles sempre me ajudaram e ajuda quando eu presciso> eles sempre me ajudaram e ajudam quando eu preciso, quadro 18: esse dias> esses dias.
• falhas de coesão textual: repetição excessiva de substantivos e pronomes, principalmente: quadro 4: Ele era um rapaz muito inteligente, mas também um rapaz bem zuado, ainda nesse mesmo quadro o substantivo Peter aparece em todas as frases, sem buscar um substituto, quadro 30: Vangel, Roger e Super Choque são repetidos constantemente; uso inadequado dos marcadores temporais e de anafóricos referentes a lugares: quadro 4: No laboratório> Lá, uso excessivo da palavra então, marcando seqüência narrativa; desconhecimento do uso de pronomes relativos, no papel de substituição: quadro 4: o diretor do local que aconteceu a luta> o diretor do local onde aconteceu a luta, quadro 8: só prendeu ele> só o prendeu; quadro 10: que não conseguiu matar ele> que não conseguiu matá-lo, quadro 12: deu-lhe outro soco na cara dele> deu-lhe outro soco, quadro 23: ele acabou com todos esses> aqueles.

Nesse momento , ainda no 1º bimestre do ano letivo, com o planejamento preparado, passou-se à comparação entre as necessidades constatadas e o que o plano propunha. Algumas alterações foram necessárias, como a pontuação que não constava do 1º e do 2º bimestre, só no 4º; a concordância verbal e nominal que estavam no 3º bimestre teve uma retomada ainda no 1º; coesão e coerência textual, com poucas sugestões de atividades no 4º bimestre, passou a ser visto também no primeiro, já o estudo da ortografia constava em todo o ano letivo e continuou assim.
Um fato chamou a atenção com respeito à forma de utilização do livro didático na elaboração do planejamento. O livro deve servir de apoio, e não ser o condicionador dos conteúdos que o professor deverá seguir para a análise da língua em sala de aula. E foi isso que se constatou, comparando-se o programa e o livro didático e procurou-se alterar. Se um conteúdo visto na série anterior, não foi ainda assimilado, o livro didático não faz uma revisão desse conteúdo; o professor tem que estar atento a esses fatos e por isso, a análise da produção dos alunos se faz necessária para a elaboração do conteúdo do plano de ensino. Por outro lado, é comum perceber-se que há conteúdos obsoletos nos livros adotados em sala de aula e que são transpostos ao programa, se não se leva em conta as reais condições de escrita do aluno.
Durante quatro meses, realizou-se com as classes atividades de leitura e escrita de narrativas: anedotas, fábulas, contos, crônicas, histórias em quadrinhos, notícia jornalística; gêneros diversos onde o enfoque maior foi na pontuação, na ortografia, na coesão e na coerência textual. Para a produção de textos, as correções foram efetuadas na lousa ou com uso do retroprojetor, utilizando-se trechos dos textos dos alunos com os problemas citados acima, para serem refletidos e reescritos juntos.

Quanto à ortografia, trabalhou-se a comparação de palavras com outras da mesma família, para poder ajudar na escolha da letra certa. Por exemplo: atrás- atrasado-atrasou; o uso do J/G; a letra X, com seus diferentes valores sonoros; o uso de mau (adjetivo) e mal (advérbio); o verbo haver na forma do presente do indicativo há, e a artigo, pronome ou preposição, o uso de SS/C/Ç/SC/S, em diferentes posições na palavra. Quanto ao acento gráfico foram retomadas a acentuação das proparoxítonas, paroxítonas, oxítonas, monossílabos, ditongos e hiatos. As próprias atividades do livro adotado foram usadas nessa revisão, porém complementadas com o trabalho de CARVALHO et al. Construindo a escrita: Gramática/ortografia, vol. de 1 a 4. Para a pontuação, as atividades continuaram sendo observações nas leituras feitas em sala de aula.
Ao se constatar as falhas de coesão e coerência textuais, se fez necessária a ampliação desse conhecimento por parte da professora, através da leitura dos livros de KOCH, (1993) que trata do assunto com clareza, numa linguagem acessível e esclarecedora.
Foi objeto de reflexão com a classe o papel dos conectores para escrever com coesão, onde se viu o uso do MAS, ENTÃO, QUE, NEM, POIS, PORÉM, SE, QUANDO. Foi revisada a função dos pronomes, principalmente dos pessoais retos e oblíquos.

Para a segunda produção, a de junho, (texto 02), três propostas de narrativa foram feitas, seguindo para o fantástico, gênero que as classes aceitaram muito bem.
Não foram feitas anotações durante a escrita.

Texto 02 — Aluno N.
JACK O LOBISOMEM
1 Sua cabeça doía e parecia girar. Não conseguia entender como fora parar naquele pequeno barco.
Era uma noite quente, no céu havia uma bela lua cheia e o barulho da água do rio era uma espécie de música lenta e monótona a martelar seus ouvidos.
5 Seu nome era Jack. Ele estava muito confuso, não entendia o que estava fazendo ou o que tinha feito, estava vestindo apenas um short e uma camiseta, toda rasgada, era a roupa com que dormia. Suas mãos estavam sujas de sangue por causa de alguns machucados que tinha feito e provavelmente devia ter acabado de fazer.
Jack naquele barco, sem compreender absolutamente nada, e não era a primeira vez que 10isso acontecia, Jack já muitas vezes acordou em vários lugares diferentes, sem se quer compreender o mínimo possível, da razão de estar naquele lugar e sempre em lua cheia, e é só Jack olhar a lua e pronto é como se dormisse de novo e só acordasse de novo em seu quarto. Só que dessa vez, Jack acordou em seu quarto, mas com um detalhe, estava com os machucados nas mãos iguais aos que tinha quando estava no pequeno barco, como era meio esquecido, pensou que tinha 15feito os machucados e não se lembrava.
Então os dias foram passando, Jack acordando nesses lugares estranhos, sem explicações, então no fim Jack acabou achando que esses lugares eram sonhos, mas será que eram sonhos mesmo. Jack começou a se interessar por histórias e filmes de terror, ele achava esses seres monstruosos, muito legais, e o seu personagem favorito era o lobisomem.
20 Tinha alguma coisa acontecendo com Jack, ele estava tendo alguns comportamentos estranhos, parecidos com o de um cachorro. Seus pais começaram a ficar preocupados, mas Jack, garantiu que não era nada.
Logo após o almoço, Jack saiu e foi ao zoológico com seu irmãozinho e levou sua máquina fotográfica e só voltou à noite. Quando voltou, foi logo dormir e deixou a câmera ligada em cima da 25cômoda ao lado de sua cama, quando acordou a máquina fotográfica havia tirado várias fotos dele dormindo, na verdade ele não estava muito dormindo, mas sim muito peludo. Jack, quando olhou as fotos, ficou incrivelmente assustado, isso explicava tudo o que tinha acontecido com ele, seu comportamento, os lugares, tudo, Jack era um lobisomem. Gostava do personagem lobisomem em filmes, mas não queria ser um, isso colocaria a vida de inocentes em risco.
30 Com medo de machucar alguém, Jack passou dez anos procurando a cura, e como não achava se trancava em jaulas, de barra de aço não podendo sair. Como não achou a cura e não aguentava mais aquela vida monstruosa e miserável, se matou com uma bala de prata o que achou que deveria ter feito a muito tempo.

Aluno: N. Junho/ 2003

Sua letra continua legível, num trabalho limpo e bem organizado em parágrafos bem definidos. O título é uma  referência a Jack, personagem de filmes de terror.

Pontuação: , o lobisomem (título)

                   e, provavelmente, L.7 e 8

                   , naquele barco L.9

                   .Jack já muitas vezes L.10

                   , é como se dormisse L.12

                   .Como era muito esquecido L.14

                   ,os dias foram passando, L.16

                   .Mas será que eram sonhos mesmo? L.17 e 18

                   , levou sua máquina fotográfica L. 23

                   .Quando acordou, a máquina fotográfica L.25

                   ;na verdade, L. 26

                   .Isso explicava tudo L. 27

                   em jaulas de barra de aço, não podendo sair. L. 31

                   , o que achou que deveria ter feito L. 32

Desconhecimento do uso do verbo haver indicando tempo passado: ...que deveria ter feito a muito tempo. L. 33

Estrutura da oralidade: Uso excessivo de gerúndio:  Então os dias foram passando, Jack acordando nesses lugares estranhos, sem explicações, então, no fim Jack acabou achando... L. 16 e 17

... havia tirado várias fotos dele dormindo, na verdade ele não estava muito dormindo, mas sim muito peludo. L. 26

Repetições: (substantivo próprio) - Jack L. 10,18, 21, 26, 30.

                    É como se dormisse de novo e só acordasse de novo em seu quarto. L.11

                    Jack passou dez anos procurando a cura... Como não achou a cura ...L. 30 e 31

Acentuação:  ausência de trema: aguentava>agüentava L.32

O aluno N. não apresentou falhas ortográficas; a oralidade ainda se faz presente no uso excessivo do gerúndio e do substantivo próprio; quanto à acentuação, só faltou a colocação de um trema, mas ainda apresenta pontuação inadequada.

Texto 02 — Aluno V.A.
RUÍDOS DA MORTE

(1) Ao chegar em casa, à noite, toda a família já estava reunida em frente à televisão, como sempre. A deusa dos raios azulados parecia hipnotizar adultos e crianças. Ele pensou em dizer alguma coisa, mas logo viu que seria inútil, ninguém desviaria os olhos da telinha para lhe dar atenção.
(5) Então Walter resolveu ir ao seu quarto e continuar a fazer seus planos de mudança de casa.
Ele começou a ouvir uns barulhos de ruídos, daí percebeu que o jogo entre Brasil e Turquia estava no intervalo, e foi até a sala falar o que tanto queria aquela hora:
— Bom pessoal, eu tenho uma coisa muito importante para falar a vocês.
Todos estavam destraídos e nem ouviram.
(10) — Gente — gritou — eu tenho uma coisa para falar com voces
— Fala então
— É que eu resolvi que nós iremos mudar.
— Êêêêêê — gritou todos felizes.
— Isso é muito bom não é?
(15) —Claro
—Mas eu tenho outra coisa para falar.
—Fala então!
— Acabo de ouvir ruídos lá fora.
—O quê?
(20) — É isso mesmo
— Vamos lá ver o que está acontecendo.
Todos foram, Walter (pai) foi pela direita.
Marisol (mãe), foi pela frente, e as crianças ficaram na frente da casa esperando-os
De repente Marisol sente que está se aproximando destes ruídos, quando viu que era seu vizinho, o Rogério que estava se transformando. Cabelos compridos, todo cheio de pelos, e pelado.
Então ela olhou para cima e viu que era noite de lua cheia e chegou a conclusão que...
— Socorro, o lobisomem!!! — gritou — Socorro, Socorro!
Imediatamente o pai e os filhos foram pelo mesmo caminho que ela tinha ido.
Encontrou ela e viu que o lobisomem estava quase alcançando-a quando viu que tinha uma (30)coisa brilhando ao seu lado. Pegou e viu que era uma sub- metralhadora. Segurou, viu que estava carregada e atirou no lobisomem. “Tchau”.
Depois ele viu que era seu vizinho e voltou para sua casa inconformado por ter matado seu vizinho, o seu melhor amigo.
Todos estavam dormindo menos Walter, que ainda não se conformava.
(35) Pegou a arma foi até a esquina da rua e...”Pôu.Pôu,Pôu!
Três tiros na cabeça dele mesmo, morreu.

Aluno: V. A. Junho/ 2003

Texto com bastante diálogo usando corretamente os travessões, mas não a pontuação final dos períodos; letra legível; título em vermelho; parágrafos bem marcados.

Pontuação:  ,Walter resolveu L.5

                    — Gente — gritou — eu tenho uma coisa para falar com vocês! L.10

                   — Fala,  então!  L. 11, 17

                   — Isso é mesmo muito bom, não é? L. 19

                   — Claro!  L. 15

                   — É isso mesmo! L. 20

                   — Vamos lá ver o que está acontecendo? L. 21

                   esperando-os. L. 23

                   De repente, Marisol sente L. 24

                   Então, ela olhou L. 26

                   Walter (pai) foi pela direita. L.22 (parênteses)

                  Marisol (mãe), foi pela frente, e as crianças ficaram na frente da casa esperando-os. L. 23

                   Depois, ele viu L. 32

Acentuação: voces>vocês;

                    pêlos (substantivo);

                    éra>era;  estáva>estava

Crase:         ... chegou a conclusão que... L. 26

Repetição: Depois ele viu que era seu vizinho e voltou para sua casa inconformado por ter matado seu vizinho, o seu melhor amigo. L. 32 e 33

                  Viu L. 24, 29, 30 32

Estrutura da oralidade: Ele começou a ouvir uns barulhos de ruídos... L. 6

                                     E atirou no lobisomem. “Tchau”. L. 31

Concordância verbal: ...gritou todos felizes. L. 13

Ortografia: desconhecimento de regularidade contextual: Marisol>Marissol  L. 23 e 24

V.A. apresenta em seu texto, além das falhas analisadas acima, problemas de coerência textual: seu personagem Walter diz que vai se mudar, todos concordam alegremente, mas essa ação perde-se na narrativa; do nada, o surgimento de uma arma para matar o lobisomem, assim como seu suicídio na esquina da rua. Não assimilou completamente a pontuação.

Texto 02 — Aluna L.
“Um gato e uma maldição”

(1) Aquele gato sabia distinguir uma pessoa da outra. Seus olhos liam as intenções de cada uma. Sabia quem era falso ou sincero, traidor ou leal, com boas ou más intenções.
Maria ouvira isso na escola na hora do recreio, e ficou pensando no assunto o resto do dia, imaginando se era verdade ou não, se era só uma fofoca da turma. Mas resolveu investigar, é claro (5)com sua melhor amiga Claudiglanete, sabe elas eram meio que uma dupla de “detetives”, adoravam investigar tudo que acontecia na escola, qualquer coisinha estranha que acontecesse lá estavam elas na biblioteca, no laboratório, em casa, em todo lugar.
Bem voltando ao que interessa lá estavam elas escolhendo por onde começar perguntando pra galera se sabiam alguma coisa sobre o assunto, ou pesquisando em livros, enciclopédias, (10)revistas e jornais antigos. Resolveram então ver o que pessoal sabia para depois ir mais fundo. Escutaram vários tipos de comentários: “Dizem que ele é um monstro do além disfarçado de gato” ou “Dizem que se a pessoa for ruim ela é amaldiçoada pelo gato” ou até “Ah, eu quero ser ele quando eu crescer.”
Diante desses comentários nem um pouco produtivos resolveram ir aos livro. Procuraram, (15)procuraram até que Claudiglanete achou num livro bem velho e empueirado alguma coisa sobre o tal gato e parecia que aquela história de maldição era verdade, lá no livro tava escrito assim:”Se por acaso uma pessoa ruim encontrar o gato e olhar bem nos seus olhos, este será amaldiçoado por ele.”
As duas ficaram chocadas com o que tinham acabado de ler e resolveram então ir falar com o menino que tinha dito sobre a maldição para ver se ele sabia mais alguma coisa, e não é que ele (20)sabia, falou que tinha ouvido dizer de um gato muito estranho que estava rondando pela escola e que era conhecido como GATO FOR EVER, e que ficava indo de classe em classe passando por aluno e coisa e tal.
Tinha uma menina na classe da Maria e da Claudiglanete, a Greideice, que era muito chata e má, ela vivia chingando as pessoas, estragando tudo que era NOSSO, brigando, encrencando, ou (25)seja uma chata completa. O que será que ia acontecer se a Greideice encontrasse com o gato? Sei lá!
Bem, elas continuavam investigando sobre o GATO FOR EVER e descobriram que ele era rarissimo de se encontrar igual, e que as maldições eram ele que escolhia de acordo com a maldade da pessoa, e dependendo podiam ser bem cruéis.
(30) Todos evitavam qualquer tipo de gato, tinham até umas meninas exageradas que evitavam seus próprios “gatos”. Só tinha uma pessoa que não tava nem aí, a Greideice, vivia falando e fazendo suas maldades, ela maltratava até pobres animaizinhos meigos e indefesos (oh!).
Um dia ela pegou um gato que estava no seu caminho, olhou bem pra ele, e deu um chute no coitado que saiu voando, e num estalar de dedos Greideice desapareceu para sempre. Muitos dizem (35)que ela morreu, mas o que eu acho mesmo é que aquele gato era o FOR EVER e que a amaldiçoou por 100 anos como uma pobre gata, igualzinho a ele.

Aluna: L. Junho/ 2003

Título colocado entre aspas, letra legível, parágrafos bem marcados.

Pontuação:   claro, com sua melhor amiga...L. 4

                     .Sabe, elas eram meio...L. 5

                    , lá estavam elas L. 6

                    , voltando ao que interessa, lá estavam... L 8 

                    ...perguntando L. 8

                    , disfarçado de gato L. 11

                    , ela é amaldiçoada pelo gato, L. 12

                    .Lá no livro tava escrito L. 16

                    ? Falou que tinha ouvido  L. 20

                    ou seja, uma chata completa. L. 25           

Acentuação: rarissimo> raríssimo L.28

Concordância verbal e nominal: perguntando pra galera se sabiam > se sabia L. 9

                                                    resolveram ir aos livro> ir aos livros L. 14

Mais de uma letra para representar o mesmo som: chingando> xingando L.24

                                                                                  empueirado> empoeirado L. 15

Estrutura da oralidade: ,lá no livro tava escrito...L. 15

                                     então ir falar L. 18

                                     que não tava nem aí... L. 31

Numeral: 100 anos L. 36

O que se pode observar na produção de L. além das falhas anotadas no quadro, é que em determinado momento da narrativa, conforme assinalado em letras maiúsculas no texto, ela usa a primeira pessoa, confundindo-se como narrador-personagem do texto.

Texto 02 — Aluna B.
O gato Forever
(1) La na minha rua, havia um gato muito esperto, ele era de raça Angorá de cor cinza e se chamava Forever.
Aquele gato sabia distinguir uma pessoa da outra. Seus olhos liam as intenções de cada uma. Sabia quem era falso ou sincero, traidor ou leal, com boas ou más intenções.
(5) Um dia Forever estava na rua, quando voltou para casa, encontrou sua dona morta, ele ficou muito triste e disse para si mesmo:
— Eu vou encontrar quem matou minha dona.
Desde então Forever passou a ser um investigador.
De manhã, começou a procurar pistas, achou um pedaço da roupa do bandido. Forever tinha (10)um amigo, que era um cachorro, ele se chamava Bingo.
Forever perguntou para ele:
— Bingo, você me ajuda a encontrar o bandido que matou minha dona?
Bingo responde:
— É claro que sim amigo.
(15) Quando os dois estavam saindo, escutaram uma vizinha falando para um policial que quem assacinou Maria, foi um homem alto, moreno, com cabeça raspada e com bigodes grandes. Bingo achou pegadas no chão. Ele foi farejando, farejando até que eles saíram em frente de uma casa abandonada, de repente saiu um homem de lá, o gato olhou fixamente para seus olhos, ele viu um homem malvado, aí ele pensou nas características do bandido e falou para o cão.
(20) — É ele o assacino.
Os dois pularam em cima do bandido. La perto tinha um policial, ele escutou o barulho e foi ver. Ele tirou os dois de cima do homem, ele viu o rosto dele e lembrou que ele é o bandido mais procurado do Rio de Janeiro.
Com isso Forever e Bingo ficaram muito famosos. O bandido pegou prisão perpétua, o gato, (25)como não tinha mais onde morar, resolveu ir morar na rua, mas o cão, seu melhor amigo, não deixou Forever ir embora, então o cão disse:
— Forever, quer morar em minha casa?
Forever responde:
— É claro que sim amigo. Muito obrigado.
(30) E assim, Forever e Bingo, resolveram virar Detetives.
Fim

Aluna : B. Junho/ 2003

Produção bem elaborada, com título, parágrafos bem definidos.

Não há recuo de parágrafos quando emprega os travessões.  L. 7, 12, 14, 20, 27, 29.

Pontuação:   , Forever estava na rua e, quando voltou para casa, encontrou sua dona morta. Ele ficou...L. 5

                       , Forever passou a ser L. 8   

                       , amigo. L. 14

                       , saiu um homem de lá. O gato ...L. 18

                       falou para o cão: L. 19

                       Lá perto, tinha um  L. 21

                       , Forever e Bingo L. 24

                       , meu amigo. L. 29

                       Forever e Bingo resolveram... L. 30     

Mais de uma letra para representar um só som: assacinou>assassinou L. 16

Acentuação: la>lá L. 1, 21

Repetição: Os dois pularam em cima do bandidos. La perto tinha um policial, ele escutou o barulho...L. 21 ele> que

                   Ele tirou os dois de cima do homem, (ele) viu o rosto dele e lembrou que era (ele é) o bandido...L. 22

                    ...mas o cão, seu melhor amigo, não deixou Forever ir embora,  (então o cão)  disse:... L.26  ( usar o E conectivo).

Forma do verbo usada incorretamente: presente> passado é> era L. 22

Uso de letra maiúscula: Detetives> detetives L. 30

Quanto à pontuação, B. continua sem observar o lugar dos travessões nos diálogos, já obteve melhoras na acentuação e na ortografia, mas ainda há repetições desnecessárias e falhas de pontuação.

Após a análise das produções de junho, resolveu-se iniciar o 2º semestre trabalhando com mais intensidade a estrutura da narrativa, com exercícios de eliminação de repetição de palavras, mais alguns aspectos ortográficos — o som /s/ e o /z/ com diferentes grafias — acentuação novamente e crase. As atividades ortográficas foram realizadas com recortes de palavras, através da seleção de sons, onde se constatou que ainda alguns alunos não distinguiam o som /s/ do /z/. Novas atividades de pontuação foram elaboradas como textos sem pontuação para serem reescritos, histórias em quadrinhos, observando-se o vocativo, o aposto e a vírgula com advérbios e locuções adverbiais.
Para alguns alunos que não aparecem nessa amostragem, mas apresentavam outras falhas ortográficas, entre elas trocas de letras, oposição surda/sonora: f>v, t>d, p>b, conforme anexo, o Colégio ofereceu aulas de recuperação em Língua Portuguesa em outro período, onde se trabalhou o gênero poético, com atividades que favoreciam a sensibilização para se observar essas falhas, onde houve sensível melhora.

A terceira produção ocorreu no mês de outubro, o tema sugerido “uma viagem à memória”, buscando lembranças, objetos que tiveram significado durante sua infância e trazê-los para aquele momento. Esta escritura conta com a parceria dos pais que também produzem um texto para os filhos, relembrando o mesmo episódio ou narrando outro de seu agrado, numa visão diferenciada de participante do fato.

Texto 03 — Aluno N.
MEU CACHORRINHO
Oi, meu nome é N., muito prazer, e agora eu vou lhes contar uma história que aconteceu comigo há muito tempo atrás, lá vai.
No dia 10 de outubro de 1994, meu aniversário, eu ganhei um ótimo presente, algo que eu queria faz tempo, um cachorrinho.
Quando eu o vi, aquele Fox Paulistinha, marrom e branco, fiquei muito feliz, e logo em seguida o trouxemos para casa. Quando chegamos, ele logo se sentou no meio da lavanderia e começou a me olhar e eu a olhá-lo, então ele, continuou a me olhar e eu também, logo em seguida ele olhou para os lados e voltou a me olhar e eu nem por um segundo desviei o olhar. Então, a expressão dele começou a mudar e ele deu um latido e correu pra cima de mim, eu numa reação de susto saí correndo e pulei em cima da mesa e lá fiquei até não perceber mais sinal de perigo, aí desci.
Na hora em que desci e dei alguns passos, o “cachorro monstruoso”, percebeu minha aproximação e logo veio em minha direção, para me atacar, só, que fui mais rápido e voltei à mesa.
Eu não sabia o que fazer com a “fera descontrolada”, ele já tinha até abdusido a minha mãe que dizia: “Ele só quer brincar.” Há,há,há..., até parece, ele quer é me morder.
Então passei a noite bem atento, veja como sou corajoso, até passei a mão nele enquanto ele estava dormindo. Algum tempo depois descobri que ele não era mau e nem era um cão monstruoso mas sim, um ótimo cão e um grande amigo que está comigo até hoje e seu nome é Saturno.


Nesta produção, quanto à forma conseguiu-se garantir menos falhas, ainda restando trabalhar com a pontuação, mas quanto ao conteúdo, obteve-se um texto alegre e criativo.

Texto 03 — Aluno V.A.
Viajando pela memória

Estava no Colégio “Paulo Freire”, pré-escola, todos estavam dentro da sala de aula brincando de rodar, eu e o Raul na maior velocidade, de repente, a minha mão escorregou e eu tropecei caindo de costas e batendo a cabeça na ponta da mesa. Foi uma choradeira, quando vi aquele vermelho saindo da minha cabeça.
Todos tiveram que parar de brincar. A ajudante da professora fez os primeiros socorros, depois fui para Sininho (inspetora) e logo após fui para o hospital, levar três pontos.

O aluno apresentou um texto curto, usou vários verbos no gerúndio, utiliza ainda parênteses como aposto, tem ainda problemas com a pontuação.

Texto 03 — Aluna L.
LILICA

Quando eu tinha 4 anos, eu estudava numa escolinha chamada “Marquês de Rabicó”, em Jundiaí.
Um dia eu estava brincando no pátio, até que a professora me chamou. Ela me levou até um quartinho onde tinha um monte de brinquedos da filha dela. Tinham bichinhos de pelúcia, coisas de casinha, bonecas, Barbies, etc... Então a professora pegou uma cachorrinha de pelúcia e me deu de presente.
Quando fui embora, mostrei o presente que tinha ganho aos meus pais. Ao chegar em casa, estava assistindo o desenho Tiny Toons, onde os personagens principais eram os coelhinhos Lilica e Perninha, como eu gostava muito do desenho resolvi dar esse nome a cachorrinha.
E essa é a história de como eu ganhei o meu brinquedo de pelúcia Lilica.

Por ser um texto espontâneo, apresenta traços da oralidade, pontuação inadequada com menor freqüência, não se notam falhas ortográficas e repetições cansativas.

Texto 03 — Aluna B.
O pincel assassino

Era no ano de 1999, eu tinha oito anos, estava brincando com meus amigos Bruno, Carol, Karine, minha irmã Juliana e meu primo Guilherme.
Nós estávamos fugindo da Carol, porque ela estava com um pincel cheio de tinta e correndo atrás da gente. A Karine estava na minha frente, eu tropecei no pé dela e caí com o joelho na ponta da gradinha de limpar o pé, que estava em frente ao alambique do meu pai. Eu fiz dois furos no joelho. Meu pai e minha mãe me levaram para o hospital.
Eu levei seis pontos no joelho, três em cada furo.
Na escola, minha professora colocou uma cadeira para eu colocar a perna.
Depois de uma semana eu tirei os pontos e voltei a brincar.

Nota-se que o texto apresenta neste momento outras necessidades, como a de trabalhar melhor os elementos de construção da narrativa, para torná-la mais envolvente.

Esse tipo de avaliação diagnóstica proposta para análise da escrita dos alunos vem mostrar aspectos positivos.
A metodologia empregada mostrou resultados excelentes, como pode ser constatado nas análises acima. Pode-se observar avanços em alguns aspectos, principalmente naqueles que foram objeto de atividades de reflexão, como a ortografia, a acentuação, a pontuação, a concordância verbal e nominal, a coesão textual. Esse processo é um continuum, não se encerrando com alguns objetivos alcançados.
Novas produções foram elaboradas até o momento e conseguiu-se garantir menos falhas, de onde concluímos que é esse o caminho a ser seguido.
A elaboração de um plano de ensino com conteúdos que estejam voltados para a escrita dos alunos, atendendo às suas necessidades e, não, a que o livro didático sugere, deve ser o enfoque do planejamento fazendo com que essa atividade não seja estática e rígida, porém adaptável às necessidades da classe.
Com isso, observa-se uma economia do trabalho para o professor, quanto a ele buscar na gramática conteúdos que satisfaçam seu plano de ensino, podendo utilizar o que ele tem em mãos, a riqueza que são as produções de seus alunos.

Anexo 1. Quadros de avaliação dos textos
Quadro 01:

Aluno: J. P.

Tem letra legível, apesar da explicação ter sido voltada para a produção de uma narrativa, a aluno apresentou seu texto em tópicos de descrição dos personagens do livro O senhor dos anéis.

Título: retoma uma expressão muito usada na programação humorística da TV :”meu herói!”

Pontuação: ,que (explicativa)

                   , na rua (lista)

                   .ponto (Amigo)

                   , seu pai(.)

                   . guerreiros

                   .flecha

                   .espadas

Acentuação: herois, barbaro, principe, tambem

Introdução das personagens: sem obedecer à convenção de apresentação

Estrutura do texto: tópicos à guisa de glossário.

1º parágrafo: descrição

2º parágrafo: apreciação

3º parágrafo: apreciação

4º parágrafo: apreciação.

Letra maiúscula: rua bolsão (Bolsão)

Repetição: amigo de Galdalf. Amigo tambem de Sam...

Uso de conectores entre as frases e os parágrafos: que morava

                                                                                    e ajuda a Frodo

                                                                                    Um principe guerreiro, seu pai (cujos pais)

Uso de verbo: ausência no segundo período: L.2 ...seu tio Bilbo Bolseiro, amigo de Gandalf.

Encadeamento e paralelismo: de Mary, de Pipen...

Uso inadequado de parêntesis: Um anão (barbaro), pensa...

Uso de numeral:  9 guerreiros

                            4 hobbits

Uso de letra de forma.  F,G, S, F

Ausência de plural: muito bom em arco e flechas

Quadro 02:

 

Aluno: M. B.

Apresentou um ótimo texto com pouquíssimas falhas.

Produção com título e recuo de parágrafo.

Uso do h: 

Letra maiúscula: Samurai

Crase: h(á)

Uso de preposição: para- com

Pontuação: , mãe

Construção: ainda criança

Informação: espada de madeira/verdadeira

Concordância: existe livros

Conectores interfrásticos: estrutura

               

Quadro 03:

 

Aluno:  A.

O texto de Aristides tem uma falha de uso do narrador: ele falou dele mesmo só que em 3ª pessoa. No último parágrafo ele usa a 1ª pessoa: O meu pai...

Recuo de parágrafo adequado.

Sua produção apresenta dois títulos: o primeiro como se fosse o tema escolhido: Palhaços de rodeios e um segundo título O peão desmaiado.

Pontuação:

       Existia um garoto, que tinha 8 anos ele ia no sítio dos tios e montava em cabritos escondido,  com 9 anos já montava em bezerros. L.1,2,3

       ,mas L.9

      aí o palhaço de rodeio L. 13

      . O pai L.11

Repetição: pr. relativo que;

                  pr. pessoal ele.

                  ia montar L. 8 e 10

                  o meu pai L. 16 e 17

Mais de uma letra para representar o mesmo som: diço>disso

                                                                                  começei>comecei

                                                                                  adimiro>admiro

Desconhecimento das regularidades contextuais: pesoa>pessoa

Desconhecimento da forma verbal no pretérito perfeito: desmaio>desmaiou

Falta de complemento verbal para o verbo transitivo: Até que um dia o menino quis provar, inventou... L.7

A produção tem uma estrutura que lembra música de rodeio, procurando fazer algumas rimas.

Uso da expressão temporal daí em diante no lugar de uma conclusão. L.19

 

Quadro 04:

 

Aluno: N. 

Apresentou um texto com uma letra legível e no final um lindo desenho bem colorido de seu herói favorito: o homem aranha.

Estrutura da narrativa: início:  Era uma vez ... L. 1

Repetição: rapaz L 2

                  lutar, luta livre L. 13

                  substantivo próprio:Peter (em todo o texto)

                   ...Peter descobre que seu tio Bem foi morto por um ladrão. Peter fica furioso e vai atraz do ladrão. L.17 e 18

                   Peter detem o ladrão, mas descobre que foi o mesmo ladrão que tinha deixado fugir. L.19

Pontuação:,Peter foi a uma escursão....L.4

                 , estavam fazendo várias experiencias...L.5

                 , exemplo L. 6

                 , tinha 15 aranhas L.8

                 , Peter começa perceber L. 10

                 , Peter resolve ir num ringue lutar L.13

                 .Só que depois que Peter L. 14

                 . Peter com raiva L. 15

                 , Peter descobre L.17

                 Então, desse dia em diante, L. 20

Mais de uma letra para representar um só som: escursão> excursão L.4

                                                                            atraz>atrás L.17

                                                                            enchergar>enxergar L.11

                                                                            foje>foge L.16

Acentuação: experiencia, propria, oculos, dolares

 Conectores: pr. relativo:  ...o diretor do local que aconteceu a luta...> onde aconteceu a luta L.14

Acentuação diferenciada para o  verbo deter :  singular e plural: ele detém# eles detêm L.16 e 19

Marcadores temporais: até hoje.L.3

                                      Hoje... L. 4

Referência ao lugar anafórico: No laboratório L. 8 > Lá...

Numeral: 40 vezes L.6

                15 aranhas L. 8

                  1 tinha fugido L.  8

Plural: tinha 15 aranhas L. 8

Estrutura da oralidade: ir num ringue L. 13

                                     Peter com raiva vai indo embora L. 15

                                     zuado L.2

 

Quadro 05:

 

Aluna: G. S.

Recuo dos parágrafos  e travessões de diálogos.

Construiu um texto falando de suas heroínas as meninas Superpoderosas e ao lado tinha uma florzinha desenhada, referência à personagem Florzinha e termina com uma moral: "não faça aos outros o que não quer que façam com você."

Título: As Meninas Super Poderosas em O Evento da Cabelera

Pontuação:" ...__Florzinha não ligue para os outros..." L.63

                      "__ Obrigado Professor você me ajudou muito!" L.72

                     "E Florzinha disse que nada e lança no cabelo delas Que também ficaram feios então disse:

                      "_Agora estamos Kits! "L.90,91 e 92.

                      "Enquanto voavam toda a cidade ria de Florzinha e ela..." L.32 e 33

                     " ...e se cobre com a coucha da cama e fica assisntindo TV."L.48

                      "Quando alegremente passa seu pai o professor Antônio passa em frente ao quarto e vê... "L. 48 até 52

                     , prefeito! L.17

                     , meninas, L. 22

                     , Florzinha, L. 18

                     E Florzinha sem saber L. 41

                     , E vai perguntar o que aconteceu L. 52 e 53

                     , como já disse...L. 83

                     , estamos Kits!!! L. 92

Transposição da fala: cabelera>cabeleira

                                   tava>estava

                                   cabelereiro>cabeleireiro

                                   mais>mas

Mais de uma letra para representar o mesmo som: rizada>risada L.65

                                                                                 coucha>colchaL. 48

Desconhecimento de regularidades contextuais: sepre>sempre

                                                                              ningém>ninguém

Ausência do uso do pronome pessoal oblíquo:"...cansada de ver elas rindo pergunta..."L24

Uso inadequado do pr. pessoal oblíquo:"...pedia para suas irmãs te ajudar" L.8> ajudá-la

Concordância: "...Lindinha e Docinho sepre estavam brava." L.2, 3

                            "__Obrigado Professor (disse Florzinha)..." L 72

Acentuação: á L. 14

Uso de letra maiúscula: um dos Edifícios L. 43

Separação de sílaba: segura-ndo L.65

Repetição: passa L.50 e 51

                 sobre você você L. 70

                 atacar L. 84 e 85

                 então L.87

                 disse L. 89

                 dela  L. 24 e 25

                E sai chorando voando para casa, quando chega em casa ...L. 46 e 47

Ausência de travessão no diálogo: L. 80,81 e 82

                                                        L. 89

Segmentação: a gora > agora L. 92

Concordância: E suas irmãs não gostaram e todos... L.94 e 95

                       Responde Lindinha e Docinho L. 28

Oralidade: e grita dizendo L. 43 e 44

Uso exagerado de gerúndios: E sai chorando voando... L. 46

 

Quadro 06:

 

Aluno: G. D.

Texto limpo, com três parágrafos assim estruturados: o primeiro: apresentação das heroínas com descrição; o segundo: sua função; o terceiro: dirige-se ao leitor, para esclarecer que apesar de feias, são heroínas.

No final de seu texto,  fez os desenhos de todas elas e pintou.

Título: em letras de forma, bem marcadas em vermelhos: AS TARTARUGAS NINJAS

Não apresentou falhas de escrita.

 

Quadro 07:

 

Aluno: M. N.

Seu texto foi  apenas um parágrafo de cinco linhas, descrevendo o seu herói sem detalhes. Abaixo de sua produção tem o desenho, pintado de cor laranja e tomando todo o resto da página.

O título apresentado está em letras bem grandes e escrito em preto.

Parágrafo: não apresentou o recuo. L.1

Transposição da fala: capítolo> capítulo

                                   Ingrasado>engraçado

Acentuação: heroi>herói

Desconhecimento de formas verbais: presente_ passado

                                                           "O Kenny morre todo capítolo, não fala só fiz gemido..."L.4

Pontuação: ,só L.4

Repetição: Eu gosto dele por que ele L. 5

Segmentação: por que> porque

 

Quadro 08:

 

Aluno: V. A.

Apresentou título, o nome do herói, como é conhecido, em inglês e em vermelho.

 Recuo de parágrafo e letra legível.

Introdução da personagem com marcador temporal: Certo dia L. 1

Um texto com apenas três parágrafos, onde o terceiro é longo, como uma descrição de uma cena de um filme.

Pontuação: , em Spick City L.1

                  . Mas, ali, L.1

                  Spider-man (homem aranha), o herói L.3 (uso inadequado dos parênteses)

                  . Spider-man recebeu um aviso L. 4

                 . 4 deles se espantaram L.5

                  , mal sabiam L.6

                   .Começaram da tiro L. 7

                   ,faltava o chefe da gangue  L. 8

                   , na manhã seguinte, o Spide-man...L. 10                

Acentuação: heroi, éra, historia, ai>aí

Estrutura da oralidade: " ...Saiu rapidamente em busca de capturar os traficantes..."L 6

                                      "...mas eles não estavam nem aí..."L 7

                                      "...começaram da tiro...” L. 7

                                       um homem que quando era criança L.2

Uso do pr. pessoal reto no lugar de oblíquo: só prendeu ele L. 9 > só o prendeu

Numeral: 15 traficantes L. 1

                4 deles L. 5

               11 mal sabiam L. 6

Transposição da fala : i>e

Troca fonética: j>z (letras mal traçadas)

Uso inadequado de vocabulário: verbo: se espantaram> enfrentaram (?) L. 5

Concordância: já era quase 10:00h> já eram quase 10:00 horas L4

 

Quadro 09:

 

Aluno: G. C.

Apresentou um título: Meu Herói meu pai

Transposição da fala: disligava>desligava

Desconhecimento da conjugação verbal no pretérito perfeito: saio>saiu, subio>subiu

Mais de uma letra para representar um só som: estavão>estavam

                                                                             a viajem> a viagem

Desconhecimento de regularidades contextuais: algun>algum

                                                                              parabrisa>pára-brisa

                                                                              segidos>seguidos

                                                                              conputador>computador

Acentuação: familia L. 3

                   andavamos L. 7

                   iamos L. 7

                   capo>capô L.19

                   faziamos, L. 9

                  amarélo>amarelo

Pontuação: O texto todo é constituído de dois parágrafos bem grandes com pouquíssima pontuação. Segue um exemplo:

      "Meu pai o meu herói, a atitude que ele tem para se dedicar a minha educação e a educação das minhas irmãs e o esforço que ele faz para manter a família, quando tinha um escritório chegou a ficar dois dias segidos de cara no conputador sem nem mesmo dormir, ontem mesmo, ficou a noite inteira trabalhando, mas chega de falar em trabalho porque..." L.1 a 6.

Conectores: mas>mais

Em alguns momentos não pinga o i: viajando, diversos L. 14 e 15

 

Quadro: 10

 

Aluno: A. R.

Apresentou título, parágrafos e uma letra bem legível.

Uso do pr. pessoal oblíquo: "...Valdemort que não conseguiu matar ele L.8> matá-lo

Transposição da fala: ir estuda>ir estudar

Acentuação: e>é

                   proxímos>próximos

Pontuação: ,seus pais L.6

                  . Sobreviveu apenas com L. 8

                  . Foi criado L. 9

                 . Os tios L.10

                 , davam L. 11

                 . Tudo muda L. 12

                 . Lá L. 14

                 , ele aprende L.14

                 , isso, L.17

                 , imagine L.18

                 , não e mole não, L.21

                 , desde que li o 1º livro, L. 21

                 , por isso,  L.23

Pr. relativo: que não conseguiu matar ele, que sobreviveu apenas  L. 7 e 8

Repetição:  pr. pessoal ele

 

Quadro 11:

 

Aluna: M.

A  produção tem título, recuo de parágrafo, letras maiúsculas. Fez uma espécie de introdução explicativa sobre seu texto e, no final, uma observação: está história não é real.

Pontuação: ,o meu pai. L. 2

                    ,meu pai L. 6

                    ,pois já era L.12

                    , eu, obvio, L. 13

                    .Derrepente, começou L. 14

                    .O cidadão L. 15

                    .De quebra L. 17

                    , me puxou L. 17

                    . Meu pai L. 19

                    ,se escondeu L. 20

                    .O ladrão L. 23

                    .A polícia L. 25

Uso de verbo inadequado: a polícia pegou o ladrão> prendeu o ladrão L. 25

Mais de uma letra para representar o mesmo som: atraz>atrás

                                                                                  sugeito>sujeito

                                                                                  chanse>chance

Segmentação: derrepente> de  repente                

Acentuação: historia, ja, obvio, está>esta

Repetição: ele L. 16

                  Deu-lhe outro soco na cara dele L. 24

A aluna pula palavras: L.2, 6, 25

 

Quadro 12:

 

Aluna: L.

Apresentou título, recuo de parágrafo, um desenho muito estranho e divertido e uma observação: Essa não é uma história real.

Pontuação:  "__ Shirra que bom que você chegou!" L.13

                    "Foi ao cabeleleiro fez o seu cabelo as unhas e voltou para..."L.21

Transposição da fala: cabeleleiro>cabeleireiro              

Mais de uma letra para representar o mesmo som: deceu>desceu

                                                                                  desaparecerão>desapareceram

Acentuação: heroina

Estrutura da oralidade: "Como eu estava dizendo "Shirra" ficou desesperada...L 9

Regência do verbo lembrar-se: "Depois disso se lembrou que... "L.19

Uso inadequado de parênteses: L. 5 e 6, 7 e 8

Uso de letra maiúscula: Super Heroina L. 8

                                      Banheiro L. 10

Repetição: ets L. 22 e 23

Uso excessivo de aspas: “Shirra” L. 4,7,9, 24 “Super Heroina” L.10 e 11,

 

Quadro 13:

 

Aluno: J.

Apresentou título em letras de forma, bem reforçadas com um semicírculo.

Recuo de parágrafo: ausência : L.1

Pontuação: ,ele L. 6

Mais de uma letra para representar o mesmo som: dezenho>desenho

                                                                                  muintos>muitos

                                                                                  voutar>voltar

                                                                                  quiz>quis

Segmentação: em quanto>enquanto

                        em bora>embora

Usa períodos simples e curtos.

Poucos elementos de coesão textual e, quando os usa, emprega em quanto e quando L. 4 e 6 com a mesma idéia de temporalidade muito próximos.

Concordância: Passaram muitos tempos L. 9> Passou-se muito tempo ou Muito tempo se passou

Final sem sentido: o aluno cita o personagem Robin Hood (referência à leitura bimestral) como lugar.

 

Quadro 14:

 

Aluna: H.

Título: Não apresentou pela indecisão em considerar seus pais heróis ou não, deixando transparecer essa idéia em todo seu texto, pelo uso até das reticências.

Recuo de parágrafo: ausência: L.1

Repetição: "Eu adoro eles eles são superlegais e compreensivos.

                   Bom , eu acho que todo todo herói enjoa um pouco as veses, eu não enjoo dos meus pais, só que as veses eles são...meio...sei la...as veses eles são chatos e..."L. 3 até 8

                   também L. 11 e 12

Mais de uma letra para representar o mesmo som: veses>vezes

                                                                                  presciso>preciso

Acentuação: enjoo, herois, tipica, musica la, e/é

Sintaxe de concordância:  eles sempre me ajudaram e ajuda quando eu presciso". L. 13

Expressão generalizante (julgamento de valor) : superlegais L.4 e 5

Termina o texto esquematizando os gostos pessoais dos pais.

 

Quadro 15:

 

Aluno: R.

Apresentou título em inglês: Pawer Ranger por (Power) e recuo de parágrafo.

Pouco recuo no primeiro parágrafo: L. 1

Acentuação: à (crase) L. 3

                    la>lá

Ausência de um período esclarecedor: e viram que...L. 4 e 5

Pontuação: . Eles foram L. 8

                   . Eles chamaram  L. 15

                    .Lutaram L. 17

Estrutura da oralidade: repetição: então L. 3,8,14,

                                                      Lutaram L. 12

                                                      eles L. 12. 15,17,18

Desconhecimento do verbo metamorfosear-se> morfaram

Não usa letras maiúsculas quando se refere aos Rangers.

 

Quadro 16:

 

Aluno: D. C.

Apresentou título e recuos de parágrafos, escreveu no final FIM todo circulado em canetas coloridas.

Não apresenta no início  uma introdução sobre seus heróis, cita como se fosse um capítulo de um seriado dizendo “O meu melhor capitulo...L. 1

Transposição da fala: vistil>vestiu

Desconhecimento de regularidades contextuais: entao>então

                                                                              arrancarrão>arrancaram

Segmentação: pegalo>pegá-lo

Acentuação: capitulo

                    titulo

Repetição: "...Então ele só ficou de cueca então eles viram um barril de vinho e foram pegalo..." L. 3 e 4

                  beber L. 6

                  que quase L.6 (sonoridade)

                  chegando lá L. 5 e L. 9

Sintaxe: "...chegando lá lembraram que a chave estava dentro da calça de magro arrombaram a porta e magro se vistil... L. 9,10 e 11.

Obs: O uso do de>da e a ausência do artigo diante do substantivo próprio Magro, que por sinal está com letra minúscula, assim como o Gordo.

Pontuação: ,então L. 3

                   .Ele viram L. 3 e 4

                   .Chegando lá L. 5

                   , compraram um pedaço L. 7

                   , gordo e magro L. 8

                   . Chegando lá L. 9

                   , arrombaram L.10

                   .E assim foi L.11

 

Quadro 17:

 

Aluno: V.

Apresentou título em letras vermelhas e grandes.

O texto foi apresentado em um único parágrafo com um desenho no final: o coração amarelo de seu herói com as iniciais.

Pontuação: , com as letras CH dentro dele...L.3

                   ,bionico L. 4

                   , acaba L. 4

                   me defender? L. 7

                   .Ele capta L. 7

                   , i agora, L. 6

Mais de uma letra para representar o mesmo som: souta>solta

Desconhecimento de regularidades contextuais: eroi>herói

Acentuação: eroi, È / é, podera. ja

Ausência de aspas: “hó i agora...defender,” L. 6 e 7

Transposição da fala: i> e L. 6

Uso inadequado da interjeição exclamativa: ho>oh! L.6

 

Quadro 18:

 

Aluno: L.

Apresentou título em forma de oração: Meu pai é meu heroi

O texto todo, 12 linhas, não apresenta uma marca de pontuação, só os pontos finais dos dois parágrafos, letra ilegível, com palavra ilegíveis. Desenhou o super pai e o super cão, mas não os coloriu.

Transposição da fala: eu tavo> estava

                                   espancadaria> pancadaria

Estrutura da oralidade: "Num dia de tarde eu tavo andando de bicicleda que quando derepente aparece os ladrões e pegaram eu e daí o SP e o SC vem me salvar..."L.6,7,8

Segmentação: derepente>de repente

Acentuação: heroi, tambem, e/é, fabrica (fábrica)

                    Verbo Sg ele vem> pl,. eles vêm

Desconhecimento das regularidades contextuais: porada>porrada

                                                                               eroi>herói

Apresenta dificuldades na oposição surda/sonora: t>d

                                                                                 ch>j

                                                                     dígrafo: r>rr

Concordãncia: esse dias L.1

                        aparece os ladrões L. 7

                        umas porada L. 9

Repetição: ele L. 2, 3, 4, 10

                 Que L. 2

Conectores: que e quando juntos L. 6 e 7

Pr. pessoal reto no lugar do pr. oblíquo: pegaram eu>  me pegaram L. 7

                                                                me encontraram eu L. 8

Pontuação: As vírgulas usadas parecem com ponto final de tão pequenas.

                   .Eu imaginei L. 2

                   , eu tava L. 6

                   , quando L.6

                   . O SP L 7

                   . O SP chegou L. 9

                   , virava L. 11

                   . Voltei para casa L. 12

 

Quadro 19:

 

Aluna: L.

Apresentou título.

Um texto curto de nove linhas com recuos de parágrafos, um coraçãozinho desenhado ao lado e em vermelho FIM. .

Pontuação:

                  , pois , sem ela, L.1

                  , companheira, sempre com os braços abertos...L.4

                  , eu te garanto L. 6

                  , mas se um dia L. 8

                   ,muita falta. L.8

                   , será L. 9

Transposição da fala: consiguiria>conseguiria

Desconhecimento das regularidades contextuais: presisar>precisar

Trocas de surdas e sonoras: t>d:  garando>garanto

                                               f>v:  fou>vou

Coesão textual: "E você será conseguiria viver sem ela?" L.9 - Referência à família dela ou às nossas famílias?

 

Quadro 20:

 

Aluno: V. P.

Título: apresentou em forma de uma oração.

Seu texto é com um único parágrafo e apresenta um pequeno desenho no final: somente a mão do Homem Aranha com um fio de sua teia saindo.

Estrutura do texto:

Inicia seu texto com um conectivo explicativo: "Pois eu gosto do que ele faz, de sua agilidade, de sua força e por ultimo mas não menos importante de suas teias." L.1,2,3

No meio do parágrafo: pois a gente não acha L. 4

Finaliza:

                                                                        "E já imaginou você sair grudando nos prédios, da escola, das casas do shopping etc...L.7,8

Acentuação: ai>aí, ultimo, ja, e>é, dificil

Pontuação: , mas  L. 2

                   , de suas teias. L. 2

                    da escola L. 8

                   ,do shopping L. 8

                   divertido! L.9

Repetição: por ai  L. 4 e 5

Quadro 21:

 

Aluno: M. R.

Apresentou título com o nome do diretor e do ator de sua preferência: Tom Hancks Stevem Spilber.

Pouco recuo de parágrafo:  L. 1, 4, 12;  faltou na  L. 5.

Pontuação:   ,ele representou muito a guerra como era L. 5

                    , todo aquele sangue L.8

                     ,isso vira L. 9

                     , essa é a visão L. 10

Transposição da fala: melho>melhor

Mais de uma letra para representar o mesmo som: meche>mexe

                                                                                 tralma>trauma

Desconhecimento das regularidades contextuais: aguentar>agüentar

Acentuação: dificil, familia, e/é, historias, inesquecivel, alem

Estrutura da oralidade: " Totos os efeitos deixam a guerra igual era."L.4

Coesão textual:

 Uso do pr. relativo que>quem : Stevem e que fez L.1

Os nomes próprios não foram escritos com letras maiúsculas: nome do artista, do diretor e dos filmes citados: resgate do soldado Ryan(filme)

             tom (referência ao artista)

             forest gamp (outro filme citado)

Troca de fonemas: t>d Totos L. 4

Repetição: igual era/ como era L. 4 e 5

 

Quadro 22:

 

Aluna: M.

Apresentou título, recuo de parágrafo e letra bem legível.

Mais de uma letra para representar o mesmo som: nogento>nojento

                                                                                  visinho>vizinho

Repetição: ele L. 2, 3, 8, 9

Através de características negativas, ela vai descrevendo seu herói predileto. Usa os adjetivos: nojento e irritante.

Ausência de letra maiúscula: Siri cascudo

 

Quadro 23:

 

Aluna: P.

Apresentou título com letras diferentes e coloriu.

Texto com  recuo de parágrafo e bem legível.

Apresentação: salienta que seu herói é diferente dos outros heróis e lança um desafio ao leitor para descobrir quem é.

Pontuação:  e só usa roupas pretas... L.3

                   "Ele tem vários amigos, que o ajudam a..."L.6

                   "Um dia ele teve que lutar..."L.8

                   "...como toda história acaba com um final feliz, como: o bonzinho..."L.15

                   "...e encontrou outro grupo de vampiros contra ele é lógico, mas com toda certeza..."L21

Mais de uma letra para representar o mesmo som: compenssação>compensação

Segmentação: se torna-se > tornasse

Coesão textual:

Referência exofórica: Um dia L. 8

                                   Outro grupo L. 20

                                   ele acabou com todos esses (aqueles) L.22

Repetição: grupo L. 8 e 9

                  ele L. 3, 5, 8

Elipse: como todos... L. 14

            com todos esses L. 22          

Explicação com o conectivo como  L. 15

Referência endofórica: essa  (esta) história L. 16

Uso do artigo definido pelo indefinido: lutar com o grupo de L. 8 (não fez referência a um grupo anterior)

 

Análise 6ª série B

Quadro 24:

 

Aluno: G.

Apresentou título com o nome de seus heróis: Senhor dos Anéis e Harry Poter (com um T só.)

Ausência de recuo de parágrafos: L. 4, 10, 13, 21 e 24.

Pontuação: ...O mais esperto e o Frodo pois ele sabe cuidar do anel...L. 7

                     Ele tem que salvar a escola onde um professor e o mavado L. 19 e 20

Transposição da fala: cidadizinha>cidadezinha

                                  ...E assim ele veveu uma aventura... veveu>viveu L.24

Acentuação: aneis, herois, ate, agil, e/é

Sintaxe de concordância: Os meus herois e do senhor dos aneis. São os Elfos pois apesar de serem pequenos são inteligente, agil e gentis. L. 4,5,6

                                       Ele é muito conhecidos Pois os pais dele morreu só ele sobreviveu a um ataque. L.21,22 e 23.

                                      E assim ele veveu uma aventura com seus amigo. L.24 e 25

Letra maiúscula no meio da frase: O meu outro Herói é o Harry Poter. L. 9

                                                       Ele leva a estação ¾ Para o Poter... L.16

                                                       Ele é muito conhecido Pois os pais... L. 21

Uso de número: Ele cresce ate 11 na cidadizinha... L.13

Observar a ausência da palavra “ anos” na frase acima.

Indefinição ou desconhecimento do nome do personagem:  ...pois ele sabe cuidar do anel que o mago grande deu para ele. L. 7 e 8.

Repetição do pronome ele L. 13,,16,19,21,24 referindo-se a Harry Potter.

 

Quadro 25:

 

Aluna: M. L.

Apresentou título e recuo de parágrafo. Sua produção era longa e como a folha não foi suficiente, ela colou um pedaço de folha de caderno no final, como um apêndice, com a seguinte observação: "...bom a história acaba aqui (é que eu já enjoei de tanto escrever)."

Há interferência e troca de entendimento com o leitor usando travessões. L. 16,17,18,19 e 20.

Pontuação: ...nós brincavamos  de um jogo, uma porcaria só que não tinha nada pra fazer, Lulala não acertava uma... L. 5, 6,7

                 .Continuando acabou que o Coelholo deu...L 37 e 38

                 ...e ela ficou arrasada, Lá em casa, ... L.41

                 ...e tive uma visão dos duendes saindo de uma caverna, apartir deste dia...L 52

                ...mais averá a continuação; bom a história acaba aqui...L. 56 e 57.

Transposição da fala: falom>falou

                                   durmir>dormir

                                   creduras>criaturas

                                   mas>mais

Mais de uma letra para representar o mesmo som: infelismente>infelizmente

Desconhecimento das regularidades contextuais: proseguir> prosseguir

                                                                               averá (verbo haver)

Acentuação: horrivel, maximo, ja, historia, herois, classico, esperavamos, pontape, brincavamos, ridiculo

Sintaxe: uso do pr. relativo seguido do artigo: ...cujo o apelido...L 3

Segmentação: apartir > a partir

Repetição da palavra já L. 7,8,9,13.

...me aconteceu uma coisa que nunca tinha  acontecido...L.46 e 47.                              

 

Quadro 26:

 

Aluna: L.

Apresentou título e recuo dos parágrafos. Antes do título ela escreveu  em cores diferentes: "Super Mam- narrador - Luana- Carla/ ou Mãe" referência aos  personagens de seu texto e durante a escrita, na fala de cada personagem acima mencionado, a cor se repetia.

No final :

                              Infentado por Luana Maria.

                              Nunca é D+ expresar sua imaginação.

Pontuação: __Eu não sei tenho que pedir a minha mãe! L.2

                  __ Mãe posso ir na casa da carla? L. 7

Mais de uma letra para representar o mesmo som: sosinho>sozinho

                                                                                 Voutou>voltou L. 47

Desconhecimento das regularidades contextuais: hora>ora

                                                                               eroi>herói

                                                                               expresar>expressar

Segmentação: tabom> está (tá) bom

Acentuação: e/é, mata-lo, rapido

Sintaxe com o uso do pr. relativo: No dia seguinte voltei ao mesmo lugar de onde eu o encontrei da outra vez...L 31

Troca de consoantes : infentado> inventado L. 50

Desconhecimento do feminino da palavra herói- heroína: E o mortal que me ajudar virará um ou uma super erói. L. 27 e 28.

Faltou letra maiúscula para substantivo próprio: carla>Carla L. 7

 

Quadro 27:

 

Aluna: P.

Apresentou título, recuo de parágrafos e até um ponto e vírgula usado adequadamente para o contexto.

Transposição da fala: us>uns

Desconhecimento de regularidades contextuais: começei>comecei

                                                                             luguar>lugar

Segmentação: derepente> de repente

                        devouta> de volta

                        oque>o que

Numeral: 5 > cinco L. 9

              Fiquei escondida por 2h >duas horas L. 15

Repetição: A mulher maravilha lançou um laço...L. 21 e 22

Mais de uma letra para representar o mesmo som: devouta>de volta L. 23

Letras maiúsculas no meio da frase: O Gibi estava Brilhando...L 10

Ausência de palavras supondo o entendimento do leitor: ...o chefe dos monstros veio a minha direção, pois já tinha me visto. Abriu a boca (...) quando apareceram os Super Amigos. L. 17,18 e 19.

 

Quadro 28:

 

Aluna: L.

Apresentou um título diferente: 4 espiãs +Q+QD+. Parágrafos com recuo no narrador e  sem recuo quando tinha diálogo, no uso dos travessões. Apresentou no final de seu texto um desenho criativo e colorido com as personagens criadas.

Pontuação:  , na cidade de Corlêndia... L. 1

                    , as 4 espiãs...L.1

                    , apelido Gugu ...L. 2

                    , foram se encontrar. L.7

                    , e sim, com um vestidinho...L. 7

                    , é o jeito dela, ...L. 8

                    , como sempre, ...L. 10

                    Ei, mas não é só isso, ... L. 11

                    Vivi Lili, pronta pra brigar: calsa,... L. 12

                    (não sei pra que, nesse calor!) L. 14

                    Bem , mas isto não interessa. L. 15

                    , estavam muito bem, comendo...L.15

                    , um grupo de pessoas... L. 16

                    , não? Volte aqui, se for homem! L. 17

                    , Iza falou: L. 18

                    , acho que caiu daquele cara....L.21

                    , está na hora das 4 espiãs ...L. 27

                    , elas não responderam...L.29

                    , daqui meia hora. — disse Ruruca. L. 32

                    ,Malu Sagu...L. 33

                    , elas se encontraram...L. 35

                    , porque qualquer um pode ...L. 36

                    ,meio tristes. L. 37

                    , felizes por andar...L. 37

                    , enquanto conversavam, ali, bem no nariz delas, estava o ...L.38

                    —Falou Ruruca. L. 41

                    (até o próximo mistério!) L. 45     

Mais de uma letra para representar o mesmo som: calsa>calça

                                                                                  diverções>diversões

Estrutura da oralidade: Vamos nos encontrar aqui daqui meia hora...L 32

Acentuação: aquaticos, varios, misterio

Segmentação: pegalo>pegá- lo L. 40

Pulou palavras:  Depois de tudo foram se encontrar...> Depois de tudo combinado, ...L. 7

                           Bem é o jeito dela o que narradora posso fazer? >Bem, é o jeito dela, o que eu narradora...L. 8,9

                           —Bem que eles meio gays.> Bem que eu acho eles meio gays! L. 19

Uso de numeral: título : 4 espiãs L. 27

Letras maiúsculas no meio da frase: Disseram L. 26

                                                           Falou L. 41

                                                           Pista L. 35

Concordância:  óculos escuro> óculos escuros L. 8

                         Um grupo de pessoas esbarram nelas > esbarra L. 16

 

Quadro 29:

 

Aluno: T.

Apresentou o texto em dois longos parágrafos sem recuo, L.1 e 10 e, no finalum desenho referente ao seu herói, o Homem Aranha.

Pontuação: A eu tanbem gosto muito da roupa do homem aranha pois eu acho ela muito criativa, a e ele tanbem usa uma mascara...L 11,12 ,13

                  ...o mundo inteiro sabe que ele e Peter Park o fotografo mas ele... L 15,16, 17

Mais de uma letra para representar um só som: como se fosse> fosse

Desconhecimento de regularidades contextuais: também>também

Segmentação: a tirando>atirando

Acentuação: varios, mascara, alias, fotografo, também.

Estrutura da oralidade: O texto todo.

 

Quadro  30:

 

Aluna: B.

Apresentou letras maiúsculas com substantivos próprios, letra legível e título.

Recuo de parágrafos: não há recuo de parágrafos com os travessões. L. 7,14,18.

Pontuação: ...Quando Vangel estava jantando seu pai lhe perguntou...L 22

                 

Transposição da fala: barbiador>barbeador

                                   descobrio>descobriu

                                   pois>pôs (v. pôr)

Segmentação: derrepente>de repente

Acentuação: más> mas

                    Toxicos

 

Quadro 31:

 

Aluno: S.

Pontuação:...dele brincar comigo e gostar das mesma coisa que eu gosto, o meu herói ia comigo onde eu fosse...L 3,4

Mais de uma letra para representar o mesmo som: atraz>atrás

Acentuação: pagina, também, nos/nós, familias

Sintaxe de concordância: ...quantas familias eles fizeram feliz, salvando...L. 15

                                         ...gostar das mesma coisa que eu gosto...L 3

Sintaxe: (v. haver indicando tempo passado). Mas isso a 6 anos atraz. L. 4

 

Quadro 32:

 

Aluna: C.

Apresentou título, recuo de parágrafo, uma história envolvente e bem elaborada.

Pontuação: Então ele vira o espelho e, a Medusa... L27

Acentuação: estatuas

 

Quadro 33:

 

Aluno: Matheus

Apresentou um texto simples, sem aprofundamento em seus heróis, apenas descrevendo-os, sem falhas ou dificuldades.

 

Quadro 34:

 

Aluna: Mariana S.

Apresentou todos os elementos da narrativa, e toda a formalidade do texto: título, recuo de parágrafo, pontuação, acentuação adequados. No final um desenho rabiscadinho no seu estilo de desenhar.

 

Quadro 35:

 

Aluna: V.

Apresentou um ótimo texto, com título, recuo de parágrafo, boa pontuação, acentuação  e tudo mais. A sua folha foi sombreada em diversas cores produzindo um belíssimo efeito com um olho bem desenhado nela. Não é uma narração e, sim, uma reflexão, uma passada de olhos por sobre os heróis do dia-a-dia.

Transposição da fala: velinhos>velhinhos

 

Quadro 36:

 

Aluno: V.

Apresentou título, recuo de parágrafo, letra legível, assinando ao final de seu texto.

Pontuação: Gosto dele pois ele não é aquele herói...L 2

                   Gosto muito dele, porque ele é meio real, tem problemas, e tem deveres...L16

                   Resolveu usar os poderes que tem, para proteger... L 18

Acentuação: herois

 

Quadro 37:

 

Aluno: G. Co.

Apresentou título, recuos de parágrafos, letra legível.

Pontuação: Lancelot um dos herois chegou ao bar... L. 35

                  Sabe o melhor da história é que eu ganhei...L.40

Transposição da fala: mal-humurado> mal humorado L. 14,15

Mais de uma letra para representar o mesmo som: dedusiram>deduziram

Desconhecimento das regularidades contextuais: luxuozo>luxuoso

                                                                                balção>balcão

                                                                                sobr (escrita sem o E)>sobre

Acentuação: inesquecivél, alguêm,hérois, ássim.

Sintaxe de concordância: ...pois só era celebridades do cinema. L7

Estrutura da oralidade: Sabe o melhor da história é que eu ganhei a espada de Lancelot meu héroi, onde eu tenho até hoje aquela espada. L. 40,41,42

 

Quadro 38:

 

Aluna: N.

Apresentou título, recuo de parágrafo e uma letra bem redonda e grande, muito legível.

Pontuação: Eu e os filhos dos meus padrinhos, ficamos com a empregada...L8

                   ...então começei a resar para os Ursinhos Carinhosos, vendo que a dor aumentava...L.14,15

                  ...então do nada tentei ir ao banheiro, quando estava no banheiro, derepente eu vi os Ursinhos Carinhosos, eles começaram a converssar com migo...L. 15,16,17

                 ...Então depois de tudo resolvido...L 38

 Estrutura da oralidade: ...então disseram para mim chamar a Socorro.L.19,20

                                     ...ficamos com a empregada (que se chamava Socorr) que estava dormindo no quarto dela, que ficava no fundo da casa, mas nós não sabiamos que ela estava dormindo. L. 10,11,12

                                    ...Então sai procurando ela pela casa... L. 20

                                   ...quando derrepente começou a me dar dor de barriga, então começei a resar...L.14                

Mais de uma letra para representar o mesmo som: resar>rezar

                                                                                 perguntarão>perguntaram

                                                                                 entrarão>entraram

                                                                                 derão>deram

                                                                                 esplicava>explicava

Segmentação: em bora>embora

                        derrepente>de repente

                        com migo

Acentuação: unicos, herois, sabiamos, estavamos, sai> saí.

Sintaxe: ...para mim chamar...L 19

            ...assistindo TV...(regência) L.12

Desconhecimento das regularidades contextuais: v.  haver aviam>haviam

 

Quadro 39:

 

Aluna: D. A.

Apresentou título longo Os herois da vida real, recuo de parágrafos, letra legível e grande.

Transposição da fala: coidam>cuidam

Acentuação: v. ter: Eles não tem>têm ... L. 2, medicos, herois.

Sintaxe de concordância: ...enchentes que são frequente...L6,7

Coesão textual: Mas os bombeiros e os policiais precisam de mais um heroi os medicos que coidam dos feridos e dos doentes tem a vida e a morte presente a todo momento de sua vida, mas não só os medidos, os bombeiros e os policiais. L. 13 até 20

 

Quadro 40:

 

Aluno: J.

Apresentou dois títulos como se fossem duas produções: MEUS HERÓIS e AGORA HISTORINHA. Deixou a produção a lápis, desenhou no final dois crachás do seu super herói.

Recuo de parágrafo: dois parágrafos enormes, sem recuo. L.1 e L.11

Pontuação: ...um moleque me enchia o saco todo dia ele apertava meu ombro...L15

Transposição da fala: ingraçado>engraçado

                                   destemivel>destemido

Acentuação: episodio, único, heroi, alguem, proposito, alem.

Estrutura da oralidade: __Duvido que você dá um soco nele...L 29

Sintaxe de concordância:...eles me tirou...L11

Desconhecimento das regularidades contextuais: eroi>herói

Mais de uma letra para representar o mesmo som: jibi>gibi

 

Quadro 41:

 

Aluna: D. Y.

Apresentou título, recuo de parágrafo. No final fez um desenho de "manga" japonês, um rostinho de alguma heroína.

Pontuação: ...assisitr Ursinhos Carinhosos, eu os adorava, por que eles mandavam embora...L1,2

Desconhecimento de regularidades contextuais: começei>comecei

Estrutura da oralidade: ...meus heróis são as pessoas que me protegem e que me fazem bem. Adoro ele. Beijos. L.15,16

 

Quadro 42:

 

Aluno: L.

Apresentou título,, bom recuo dos parágrafos.

Pontuação: Estrutura da oralidade: Meu herói ele tem uma capa, e uma mascara preta e e uma espada...L.1,2

Estrutura da oralidade: ...lutando contra as injustiças, que os ricos maltratam os pobres (escravos), e para defender eles o zorro...L. 4,5

                                    ...é um heroi muito porreta. L18

Segmentação: em quanto>enquanto

                        porisso>por isso

Acentuação: mascara, heroi, v. dar >da(dá), arvore, ferias

 

Quadro 43:

 

Aluna: A. L.

Apresentou título: Cuase heroi

Recuo de parágrafo: L.1,15,29

Pontuação: __Oi mãe!

                  ...e lá estava o mago á espera do anel, ela deu o anel a ele e ele destruio o anel. L.27,28

Transposição da fala: montros>monstros

                                  destruio>destruiu

                                  destroido>destruído

Segmentação: derrepente>de repente

Acentuação: chama-la, aneis, heroina, tuneu

Mais de uma letra para representar o mesmo som: abril>abriu

                                                                                  tuneu>túnel

Falha na escrita do dígrafo: qu>cu

 

Quadro 44:

 

Aluno: F.

Sua narrativa apresentou uma introdução, depois vem o título e uma produção bastante longa.

Apresentou recuo de parágrafo.

Pontuação: __Sim e só pode ser aberta...L35

                   Quando desci o último degral percebi que todos estavam desesperados Harry tinha sido capturado...L.69

                   ...e segui as vozes vindas da sessão proibida as vozes me levaram a uma estante comecei a tirar...L 81,82

Transposição da fala: inegualavel>inigualável

                                   Mais>mas

                                   Encrivel>incrivel

Mais de uma letra para representar o mesmo som: degral>degrau

Acentuação: inegualavel, encrivel,umido,saimos.

Segmentação: velos>vê-los

Sintaxe: crase

             ...as aulas havia começado...L 58

Estrutura da oralidade: ...mas vejo em minha frente a janela estilhaçada uma luz aparece na janela e na minha frente, da janela entra um vulto em cima de...L. 8,9,10

                                    ...eu mais do que ninguem , sabia que seja quem for ele ia atacar logo. L. 71,72

 

Quadro 45:

 

Aluno: I.

Apresentou título, recuo de parágrafo.

Pontuação: ...Na festa Frodo e seus amigos...L.16

                   Eu não conheço voces como eu gostaria, e gosto de menos da metade de voces a metade que voces merecem. L. 33,34,35

Mais de uma letra para representar o mesmo som: escelente>excelente

Desconhecimento das regularidades contextuais: consegiu>conseguiu

Acentuação: já, tres, dificil, decimo, ultimo, admiraveis, la, historia, aneis , numero

Sintaxe de concordância: ...mas a maioria deles estavam tentando...L.36

Quadro 46:

 

Aluno: M.

Apresentou o seguinte título: SUPER CROMO E MAURICIO, EU ALIADO EM: PODER ROUBAR. No final o desenho de seu herói, colorido; muitos diálogos bem marcados.

Pontuação:  Lá estava eu (Mauricio) e SUPER CROMO no cinema assistindo os Mortos Zumbi 2 Quando de repente uma quadrilha de ladrões invadem. L.1,2,3

                  ...Enquanto voavamos vimos tudo...L 9

                 Saímos de fininho e quando chegamos no esconderijo e a casa estava vazia. L .20

                 __O que você quer L. 41

Transposição da fala: mais>mas

                                  troféis>troféus (plural)

Acentuação: esta>está,miseraveis

Segmentação: tenque>tem que

Sintaxe: chegamos no esconderijo>chegamos ao...L 20

BIBLIOGRAFIA

CARVALHO, C. S. (org.) Construindo a escrita: Gramática/Ortografia. Vol. 01, 02,03, 04, São Paulo, Ática, 1998.

CHIAPPINI, L. (org.) Aprender e ensinar com textos. Volume 3. São Paulo, Cortez, 1998.

GERALDI, J. W. (org.) O texto em sala de aula. São Paulo, Ática,2002.

KOCH, I. G. V. A coesão textual. São Paulo, Contexto, 1993.

KOCH, I. G. V. & TRAVAGLIA, L. C. A coerência textual. São Paulo, Contexto, 2002.

SILVA, L.L.M. (org.) O ensino de língua portuguesa no primeiro grau. São Paulo, Atual, 1986.

ZORZI, J. L. Aprender a escrever: a apropriação do sistema ortográfico. Porto Alegre, Artmed, 1998.

 
Voltar