Voltar    
 

FRANKLIN CASCAES, UMA HISTÓRIA DE VIDA RECONTADA EM SUA ARTE

Mariana Zloti Frazzi - Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC);
Carolina Lepletier Teixeira - Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC);
Eliane Santana Dias Debus - Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) e Universidade do Sul de Santa Catarina (UNISUL)

Trata-se da de um projeto interdisciplinar desenvolvido pela 5ª fase do curso de Pedagogia da Universidade Federal de Santa Catarina. O projeto possui como eixo central o tema “Patrimônio, linguagens e infâncias” e como temática o artista catarinense Franklin Cascaes. O artista foi escolhido devido a sua infinidade de obras produzidas como contos, desenhos e esculturas visando retratar a cultura tradicional açoriana. Franklin Cascaes nasceu em 1908 em Florianópolis, vindo a falecer no ano de 1983, foi reconhecido como folclorista comprometido com as raízes da cultura catarinense, principalmente com os costumes da Ilha de Santa Catarina. No decorrer de sua vida, expressou em forma de arte os estudos que realizou sobre a cultura açoriana na Ilha de Florianópolis, envolvendo seus aspectos folclóricos, culturais, lendas e superstições, desenvolvendo um trabalho grandioso e criativo, resgatando as criaturas fantásticas que fazem parte do imaginário açoriano. Franklin Cascaes, foi reconhecido não somente como folclorista, mas também como historiador, artista plástico e pesquisador sendo considerado um dos mais importantes artistas catarinenses devido ao seu caráter singular e também pela sua determinação e persistência ao dedicar boa parte de sua vida ao registro das tradições, usos e costumes do povo ilhéu.
A produção do projeto interdisciplinar buscava retratar através das obras de Franklin Cascaes a identidade cultural dos alunos descendentes da cultura tipicamente açoriana encontrada na cidade de Florianópolis, objetivando assim, promover o contato dos estudantes com o conhecimento sobre suas próprias origens e costumes. Neste sentido, a produção artística de Cascaes mostra-se como uma das maiores contribuições para a preservação da identidade cultural da ilha, sendo por isto escolhida como temática do projeto produzido.
Procurou-se durante a elaboração do projeto, unir os conteúdos curriculares obrigatórios a atividades didáticas envolvendo a produção de Cascaes, considerando que seus estudos e obras artísticas representam da pesca a medicina popular; da cerâmica aos cantos; dos engenhos de farinha aos mitos, bruxas e boitatás. Aprofundando-se, sobretudo, no estudo que trata das lendas através de desenhos fantásticos, cujo sentido mítico dimensiona uma criatividade genuína e profunda.
As histórias retratadas por Cascaes através de seus desenhos míticos são frutos das lendas populares recolhidas pelo artista através de pesquisas nas comunidades tipicamente açorianas do litoral catarinense. Tais lendas atualmente encontram-se no livro “O Fantástico na Ilha de Santa Catarina” •, que reúne as histórias colhidas pelo artista e suas ilustrações. O acervo deixado por Cascaes é composto por obras produzidas ao longo de seus trinta anos de atuação, seus trabalhos são segmentados por 42 conjuntos temáticos de esculturas, manuscritos, fitas cassete, fotografias, filmes (super 8) e desenhos em papel, que se encontram atualmente no Museu Universitário da Universidade Federal de Santa Catarina.
Durante a pesquisa para a elaboração do projeto interdisciplinar pode-se perceber que as obras de Franklin Cascaes retratam de maneira lúdica a concepção e vida cultural catarinense da época, prezando dessa maneira o olhar infantil. Nesse aspecto, constata-se a preocupação particular de Cascaes em realizar um trabalho de fácil compreensão para as crianças nos processos de ensino, tornando-se atraente ao universo infantil a rica cultura local.
Por Franklin Cascaes ser um artista catarinense e suas obras encontrarem-se, em sua maioria, no museu Universitário pôde-se ter acesso mais fácil a pesquisadores e estudiosos envolvidos com suas obras, assim como visualizar alguns de seus trabalhos, deste modo, percebeu-se que as obras de Cascaes proporcionam o recontar de uma história, que esclarece a influência e as manifestações culturais na sociedade catarinense atual.
Em virtude da facilidade em adquirir informações sobre o artista, assim como a identificação de suas obras com a realidade cotidiana de muitas crianças, propôs-se no projeto interdisciplinar que os estudantes recolhessem imagens com câmeras de vídeo e de foto durante todo o processo de estudo sobre o artista e produzissem, com a orientação do educador, um roteiro para a posterior produção de um documentário retratando a cultura açoriana, tendo como direcionamento a obra de Franklin Cascaes.
Entretanto, tal produção não pôde ser realizada pelos estudantes devido ao caráter teórico do projeto interdisciplinar que é resultado do estágio de observação escolar oferecido à 5ª fase do curso de Pedagogia - UFSC.
Porém, devido ao aspecto lúdico e imagético evidenciado no trabalho do artista, fez-se necessário apresentar a temática do projeto interdisciplinar, ou seja, Franklin Cascaes, de uma forma que abrangesse com totalidade o caráter educacional e criativo de suas obras. Resolveu-se dessa maneira, produzir um documentário didático apresentando a vida e a obra de Cascaes e seu envolvimento com a cultura e a história açoriana. O processo de produção do vídeo foi realizado coletivamente como se havia proposto, porém a finalidade do projeto diferenciou-se ao se considerar que o documentário serviria para ilustrar a apresentação do projeto interdisciplinar realizado pelo grupo e não mais somente para conhecer a cultura e o artista catarinense.
Durante o processo de produção coletiva do documentário pelas acadêmicas de Pedagogia, percebeu-se as inúmeras possibilidades de se obter conhecimento através do meio audiovisual. Sua produção possibilitou o contato com as inúmeras linguagens encontradas no uso do vídeo e promoveu aos integrantes do processo, um novo olhar sobre as imagens produzidas no cotidiano social.
O vídeo demonstrou-se muito enriquecedor durante o seu processo de produção, vindo a propiciar além do conhecimento técnico de manuseio da câmera, uma nova forma de linguagem e comunicação no ambiente educacional.
A partir do reconhecimento dos benefícios e das capacidades didáticas que o meio audiovisual pode promover na educação, percebe-se a importância de se trabalhar com este novo meio nos processos de ensino e a necessidade de instruir os educadores em formação sobre as possibilidades de se trabalhar didaticamente com os recursos audiovisuais. Considerando que, muitos professores da atualidade, não desenvolveram durante o seu processo de formação profissional tradicional, os conhecimentos necessários para realizar um trabalho pedagógico que inclua a linguagem audiovisual numa perspectiva integradora.

Os docentes não sabem o que fazer com os equipamentos e apresenta baixa reserva cultural para superar suas dificuldades. Um trabalho pedagógico que inclua a linguagem audiovisual, tanto como recurso quanto como objeto, numa perspectiva integradora, exige um certo grau de autonomia que os professores não tiveram chance de desenvolver no projeto de formação tradicional.(WIGGERS, I., ANO, p.3)

O videoprocesso ou o processo coletivo de produção de um vídeo, aparenta ser uma das formas mais criativas e inovadoras do uso do vídeo no ensino. Este fato se deve ao seu aspecto ativo permitindo a elaboração de programas didáticos e trabalhos de criação artística pelos alunos, aparentando ser um meio criativo e concernente ao processo de ensino contemporâneo.
Falar de vídeoprocesso equivale a falar de participação, de criatividade, de compromisso, de dinamismo. É uma modalidade na qual os alunos se sentem protagonistas. O vídeo nas mãos do próprio aluno (FERRÉS, J., 1995, p.23).

O documentário sobre a arte de Cascaes e sua relação com a cultura açoriana, proporcionou para o grupo que participou de sua produção, não apenas o conhecimento sobre o imaginário e história açorita, mas a compreensão da influência das imagens no meio social e educativo. Desta forma, a importância da incorporação dos audiovisuais no ensino, evidenciou a necessidade de um maior desenvolvimento dos professores em formação sobre as possibilidades de uso do vídeo e das imagens no ambiente educacional.

 
Voltar