Voltar    
  PROJETO INTERDISCIPLINAR - ANIMAIS

Taís Regina Rocha Lino - Colégio Uirapuru

A partir do trabalho exposto, pretendo recuperar em minha apresentação os fundamentos para a compreensão de uma prática docente interdisciplinar, visando à importância da mesma em projetos na Educação Infantil.
A segunda etapa do trabalho será a descrição de uma experiência de sucesso, que certamente ilustrará as questões citadas. Ressalto, também, a grande importância dos registros na elucidação do trabalho interdisciplinar, dando ênfase na ação educativa do professor.
Falar de interdisciplinaridade gera muitas incertezas e dúvidas. Sabemos que relativamente é um termo novo, mas a tentativa de quebrar a fragmentação de conhecimento e reunir tudo em uma totalidade única é uma idéia antiga.
Aristóteles já se preocupava com idéias interdisciplinares, apesar de ser o defensor da idéia de dividir a ciências em objetos distintos de estudos, logo percebeu o perigo que isso causaria em criar visões parciais da totalidade do próprio mundo.
Com essas indagações lançadas por esse pesquisador, outros teóricos se preocuparam com o tema, resultando no aparecimento das enciclopédias. Essas, por sua vez, vieram na tentativa de entrelaçar em um único “documento” todas as informações possíveis do mundo. Dessa maneira, dando a oportunidade ao acesso dos diversos conhecimentos a todos.
O fato é que o trabalho Interdisciplinar pode proporcionar indescritíveis experiências.
A Educadora Ivani Catarina Arantes Fazenda é uma grande contribuidora para as reflexões sobre o tema, para ela interdisciplinaridade é ação:
“Atitudes interdisciplinar, uma atitude frente a alternativas para conhecer mais e melhor, atitude de espera frente aos atos não consumados, atitude de reciprocidade que impede à troca, que impele ao diálogo, ao diálogo com pares anônimos ou consigo mesmo, atitude de espera frente à limitação do próprio saber, atitude de perplexidade frente à possibilidade de desvendar novos saberes, atitudes de desafio, frente ao novo, desafio em redimensionar o velho, atitude de envolvimento e comprometimento com os projetos e com as pessoas neles envolvidas, atitude, pois, de compromisso de construir sempre da melhor forma possível, atitude de responsabilidade, mas sobretudo de alegria, de revelação, de encontro, enfim de vida”.¹

Portando, podemos resumir que Interdisciplinaridade é troca, é parceira, são atitude de professor e aluno frente a um tema, envolvendo duas ou mais disciplinas, em que se realiza como uma forma de perceber, ver e sentir o mundo. De estar nele e participar do seu desenvolvimento, assim a interdisciplinaridade age em relação aos educandos no momento que esta adquirindo conhecimentos. (FAZENDA, 1991)

¹ Fala de Ivani Fazenda em Congresso sobre Interdisciplinar em Mato Grosso, 1992.

Ressaltando a importância da parceria, Fazenda cita que essa prática consiste numa tentativa de iniciar o diálogo com outras formas de conhecimento que não estamos habituados, e nessa tentativa a possibilidade de interpenetração delas. Ou seja, o fundamental parceiro dessa parceria somos nós educadores, em que devemos saber o momento exato de atuar de maneira ativa ou apenas observativa do processo de aprendizagem. Assim para podermos praticar a interdisciplinaridade temos que aprender a sermos parceiros de outros educadores, parceiros dos alunos, parceiros dos teóricos, parceiros dos estudos cotidianos. Enfim parceiros de tudo e de todos, afinal Interdisciplinaridade é sinônimo de parceria.
Outro aspecto defendido por Fazenda, é o respeito da especificidade de cada disciplina, ou seja, projeto, intencionalidade, fusão de vários conhecimentos tornam-se características principais do trabalho interdisciplinar, principalmente na Educação Infantil.
Creio que o trabalho interdisciplinar na Educação Infantil proporciona uma aprendizagem muito mais estruturada e rica, pois os conceitos estão organizados em torno de unidades mais globais, de estruturas conceituais e metodológicas compartilhada por várias disciplinas. Dessa forma a prática docente acaba por se tornar mais articulada e significativa para nossas crianças. Caracterizo, também, como sendo um trabalho ousado, em instigar a busca e a pesquisa e provocar transformações.

Na Educação Infantil o trabalho Interdisciplinar abre a oportunidade de trabalhar conteúdos independentes dos livros didáticos. Como no caso a ser relatado, para crianças menores a Interdisciplinaridade é a forma mais eficaz no caminho para a aprendizagem, em que não se encontram livros para transmissão dos conteúdos. (CAVALCANTE, 2004)
O RCNEI² (1998) ressalta a importância do trabalho sobre “Animais”, por projeto interdisciplinar.
A elaboração de projetos é, por excelência, a forma de organização didática mais adequada para se trabalhar com este eixo, devido à natureza e à diversidade dos conteúdos que ele oferece e também ao seu caráter interdisciplinar. A articulação entre as diversas áreas que compõem este eixo é um dos fatores importantes para a aprendizagem dos conteúdos propostos. A partir de um projeto sobre animais, por exemplo, o professor pode ampliar o trabalho, trazendo informações advindas do campo da História ou da Geografia.
(RCNEI, v.3 pág. 189. 1998)

Porém, para a dinâmica e a prática dê certo é preciso que o trabalho seja planejado e


² Referencial Curricular Nacional da Educação Infantil, 1998.

possua boa sistematização. Assim ocorreu no Projeto Interdisciplinar sobre Animais que realizei no Colégio Uirapuru (Sorocaba-SP) com a turma do Maternal (crianças de 3 anos).
O projeto foi concebido sob ótica das disciplinas de Português, Matemática, Geografia, Ciências, Educação Artística, Música, Expressão Corporal, Recreação e Literatura Infantil, dessa maneira trabalhando com uma ação interdisciplinar.
Percebendo a importância do trabalho com animais, devido à proximidade e a empatia que as crianças têm por eles, desenvolvi esse projeto por despertar um interesse natural, nesta faixa etária.
Os animais contribuem de forma decisiva ao desenvolvimento infantil, pois através do contato com os mesmos, as crianças aprendem e exercitam noções de cuidado, respeito, empatia, sensibilização entre outros.
Nesta mesma linha o RCNEI afirma que o trabalho com os animais faz se necessário, principalmente, nos primeiros anos de vida.
O contato com animais e plantas, a participação em práticas que envolvam os cuidados necessários à sua criação e cultivo, a possibilidade de observá-los, compará-los e estabelecer relações é fundamental para que as crianças possam ampliar seu conhecimento acerca dos seres vivos. O professor pode criar situações para que elas percebam os animais que compartilham o mesmo espaço que elas: “Quais são esses animais?”, (...) Formigas, caracóis, tatus-bola, borboletas, lagartas etc. podem ser observados no jardim da instituição, pesquisados em livros ou mantidos temporariamente na sala. Oferecer oportunidades para que as crianças possam expor o que sabem sobre os animais que têm em casa, como cachorros, gatos etc., também é uma forma de promover a aprendizagem sobre os seres vivos.

Em função disso, o trabalho com os seres vivos e suas intricadas relações com o meio oferece inúmeras oportunidades de aprendizagem e de ampliação da compreensão que a criança tem sobre o mundo social e natural. A construção desse conhecimento também é uma das condições necessárias para que as crianças possam, aos poucos, desenvolver atitudes de respeito e preservação à vida e ao meio ambiente, bem como atitudes relacionadas à sua saúde.
(RCNEI, v.3 pág. 189 MEC, 19998)

Além de possuírem (os animais) uma importante presença em seu mundo cotidiano (desenhos animados, história, jogos) possuem também importante caráter de identificação de suas vivências pessoais e sociais.
O objetivo maior do trabalho foi o conhecimento das características dos animais escolhidos pelas próprias crianças, apontando as suas diversidades, como locais onde vivem alimentação, hábitos e outras peculariedades relativas a cada espécie.
Objetivamos também a diferenciação de domésticos e selvagens, úteis e nociveis, aquáticos, terrestres e aéreos, reprodução e habitat dos animais.
Procurei incentivar as crianças em relação aos cuidados e respeitos com os animais, o que acabou por resultar em um trabalho envolvendo os temas transversais, como ética, cidadania, meio ambiente, natureza e sociedade.
Para isso, trabalhamos com a comparação dos animais através da prática da observação, apoiando no que se diz a respeito o Referencial.
Quanto menores forem as crianças, mais suas representações e noções sobre o mundo estão associadas diretamente aos objetos concretos da realidade conhecida, observada, sentida e vivenciada. O crescente domínio e uso da linguagem, assim como a capacidade de interação, possibilitam, todavia, que seu contato com o mundo se amplie, sendo cada vez mais mediado por representações e por significados construídos culturalmente.
(RCNEI, v.3 pág. 157 MEC, 1998)

O projeto teve como ponto de partida o passeio para o NANU³, espaço reservado para alguns animais. A partir daí o trabalho se encaminhou em várias direções que despertaram os conteúdos trabalhados.
Estudamos cada animal por vez, foram escolhidos pelas próprias crianças cinco animais de cada espécie (Tartaruga, peixe, sapo, cachorro e pato).
O projeto desenvolveu os seguintes procedimentos: através da música “Sítio do Seu Lobato”, confeccionamos um livro contendo registros sobre os animais estudados, enfocando a importância do registro a cada atividade desenvolvida.
Utilizando de diferentes fontes de informação, realizamos pesquisas da história de cada animal, realizando registros coletivos. Alguns animais nos visitaram na sala de aula. Dessa maneira, classificamos os animais, desenvolvemos atividades lúdicas, atividades matemática, montagem de jogos, elaboração de painéis e cartazes, formulamos algumas resoluções de problemas, contamos várias histórias e gravamos um Cd com músicas de animais.
O Projeto também contou com importantes atitudes, como a preocupação com a preservação da natureza, socialização sobre as informações que as crianças possuem socialização sobre as informações que as crianças possuem sobre o tema, classificação dos diferentes animais pelas suas características, construção de um espírito cidadão preocupado com os cuidados pelos animais, organização de forma coerente dos pensamentos em relação ao habitat, reconhecimento dos alimentos preferidos ou necessários e de identificação de como cada animal vivem.

³ NANU- Núcleo Ambiental Ninho do Uirapuru (espécie de chácara), espaço reservado para estudo do meio ambiente

Tendo como característica principal do projeto interdisciplinar a relação entre as disciplinas com um planejamento adequado e consistente, foi trabalhado conteúdos de especificidade de cada disciplina, envolvendo os professores das aulas extra-classe.
Na área de Português (Linguagem Oral e Escrita) trabalhamos com as seguintes atividades: registros coletivos de pesquisas, releituras de livros e filmes, letras iniciais dos nomes das crianças, roda da conversa em que se trabalhou expressão de sentimento, imitação, rimas e músicas, observação e manuseio de livros, contação de histórias e poesias.
Já em Matemática foram exploradas cores, quantidades, texturas, espessuras, tamanho, altura e comprimento, peso, temperatura, orientação espacial, formas geométricas simples, um primeiro contato com numerais associados à quantidade, resoluções de problemas e seqüências.
Trabalhando Ciências Naturais e os temas transversais, enfocamos a moradia (habitat natural) de cada animal, cuidados com os mesmos, alimentação, esquema, corporal, órgãos do sentido, diferenciação dos animais selvagens e domésticos, classificação em aves, mamíferos, peixes, anfíbios e répteis e bichos de estimação.
Os professores das aulas extra-classe também se envolveram. A professora de música trabalhou com músicas relacionadas ao tema e diferenciou os sons e ritmos de cada animal.
Nas aulas de Expressão Corporal, foi desenvolvida ginástica, alongamento e imitação dos bichos. Brincadeiras com objetivos específicos do tema foram realizadas nas aulas de Educação Física e Recreação.
Na Informática trabalhamos com softwares educativos sobre animais como o da Turma da Mônica com o Sítio do Chico Bento, Sítio do Pica Pau Amarelo e Coelho Sabido.
Todas essas atividades realizadas durante o projeto contaram com diversos tipos de registros, utilizando de diversos recursos, como desenhos espontâneos, textos coletivos, recorte e colagem, dobraduras, confecção de máscaras, pinturas, dramatização, painéis e cartazes. Resumindo-se em três tipos básicos de Registros, o da Oralidade, Desenho e Escrita.
Assim, a importância do Registro na Educação Infantil é clara.
Nesse processo, as crianças vão gradativamente percebendo relações, desenvolvendo capacidades ligadas à identificação de atributos dos objetos e seres, à percepção de processos de transformação, como nas experiências com plantas, animais ou materiais. Valendo-se das diferentes linguagens (oral, desenho, canto etc.), nomeiam e representam o mundo, comunicando ao outro seus sentimentos, desejos e conhecimentos sobre o meio que observam e vivem.
(RCNEI, v.3 pág159 MEC, 1998)

Para finalizar utilizamos de dois produtos finais para o fechamento do projeto. Realizamos um registro coletivo que concretizou em um jogo de percurso e um livro sobre os animais estudados.
“Ao final desse trabalho, que teve a duração de um semestre, numa tentativa interdisciplinar, fica claro que existe a possibilidade de construção coletiva de um novo conhecimento, prático e teórico, fica também a certeza de que a interdisciplinaridade não é uma categoria do conhecimento, mas é ação, que transforma e constrói o novo”.

REFERENCIAS BIBLIOGRÁFICAS

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E DO DESPORTO. SECRETARIA DE EDUCAÇÃO

FUNDAMENTAL. Referencial curricular nacional para a educação infantil /Ministério da Educação e do Desporto, Secretaria de Educação fundamental. — Brasília: MEC/SEF, 1998.3v.

CAVALCANTE, Meire. Interdisciplinaridade: um avanço na educação. Revista Nova Escola, São Paulo: Abril, ed. 174, 2004.

FAZENDA, Ivani C.A. Interdisciplinaridade - um projeto em parceria. São Paulo: Ed. Loyola, 1991.

 
Voltar