Voltar    
  JOGOS COM RECICLÁVEIS

Tereza Míriam Pires Nunes - Prefeitura Municipal de Campinas

1º MOMENTO
1 - INTRODUÇÃO
- Para iniciar o trabalho sentaremos em cadeiras organizadas em círculo
-Apresentação pessoal de todos falando o nome e qual a área de atuação.

2 – DINÂMICA: AMIGO DO CORAÇÃO
Resgate de Valores
Carta dos Sonhos
...os sonhos alimentam o nosso coração.
É por meio deles que o universo conhece nossos desejos e
os transforma em realidade.
“Fique atento as oportunidades.”
– Serão distribuídas as cartas do baralho abaixo com o número exato de pares, quantas forem as pessoas. Dar um tempo para que possam ler. Convidar os participantes a encontrar o seu par de acordo com o desenho. Continuando, cada par decide qual mensagem será lida e quem lerá. Após as leituras os pares se abraçam e ficam convidados a serem os parceiros ou adversários para os jogos que acontecerão no 3º momento da comunicação.

2º MOMENTO

"São objetivos fundamentais da educação ambiental: I - o desenvolvimento de uma compreensão integrada do meio ambiente em suas múltiplas e complexas relações, envolvendo aspectos ecológicos, psicológicos, legais, políticos, sociais, econômicos, científicos, culturais e éticos." (Art. 5o da Lei no 9.795: Brasil, 1999).
Philippe Pomier Layrargues

Não é certo ficarmos dando um jeitinho no montante de lixo (toneladas/dia), é preciso atitudes de redução de consumo e conseqüentemente haverá redução de fabricação. Embora não seja tão simples assim, faz-se necessária políticas de massa, sérias e comprometidas com a questão ambiental. É sabido que todo mundo já tem noção do caos previsto e as posturas ainda são de um consumismo desenfreado. Aqui, nesse momento não há tempo suficiente para debatermos a complexidade do problema, enquanto isso...

3º MOMENTO

O Brincar como Linguagem
O Aurélio define a linguagem como "todo sistema de signos que serve de meio de comunicação entre indivíduos e que pode ser percebido pelos diversos órgãos dos sentidos, o que leva a distinguir-se uma linguagem visual, uma linguagem auditiva, uma linguagem tátil, etc, ou ainda, outras mais complexas, constituídas, ao mesmo tempo, de elementos diversos".
O signo, é "aquilo que representa ou substitui outra coisa; aquilo que tem valor evocativo, mágico ou místico; um objeto material que representa ou designa uma realidade complexa; uma pessoa ou personagem que representa determinado comportamento ou atividade".
A partir dessas concepções, podemos considerar o brincar como uma linguagem, através da qual as crianças se comunicam, entre si e com os adultos. O brincar é um sistema de signos que representa, de forma inconsciente, a vida real, sob o olhar daquele que brinca (o jogo simbólico, por exemplo); o brinquedo ou os objetos utilizados no jogo, representam uma ponte, um meio de comunicação, a partir do qual designa-se uma realidade mais complexa.
Tanto os brinquedos quanto as brincadeiras, assim como as atitudes dos "brincantes", constituem um sistema de signos, uma linguagem, que precisamos aprender a ouvir, a decifrar, a compreender.
A linguagem do brincar caracteriza-se pela sua universalidade: ela é tão antiga quanto a existência do ser humano, atravessando o tempo e as fronteiras. Uma linguagem que tem se perpetuado na sua forma, apesar dos seus conteúdos se transformarem.
O brincar pode ser lido e interpretado de forma científica, acadêmica, analítica, clínica. Universal, histórica, regional, cultural, folclórica. E também sob um olhar místico, ritualístico, simbólico, misterioso.
Coloque-se o desafio de refletir sobre o Brincar como: - Resgate de Necessidades – Diálogo - Desenvolvimento Cultural – Símbolo – Linguagem - Leque de Novas Possibilidades...
Texto elaborado para palestra da Associação Brasileira de Brinquedotecas - Maio de 2000 na PUC de São Paulo

Finalmente, haverá uma demonstração dos JOGOS COM RECICLÁVEIS para apreciação, discussão e troca de experiências.

Bibliografia:


BRAGA, Adriana Regina; GRABHER, Cláudia; LAHÓZ, Francisco C.C.; GOTARDI, Kátia Rossi. Educação Ambiental para Gestão dos Recursos Hídricos. Consórcio Intermunicipal das bacias dos Rios Piracicaba, Capivari e Jundiaí, 2002

BRANDÃO, Heliana. O Livro dos jogos e das brincadeiras: para todas as idades./ Heliana Brandão, Maria das Graças V. G. Froeseler. Belo Horizonte: Editora Leitura, 1997

CUNHA, Nylse Helena Silva. Brinquedoteca: um mergulho no brincar. São Paulo: Maltese, 1994

CUNHA, Nylse Helena Silva. Brincar, pensar, conhecer: jogos e atividades para você fazer com suas crianças. São Paulo: Maltese, 1998

CUNHA, Nylse Helena Silva. Brinquedo,desafio e descoberta: subsídios para utilização e confecção de brinquedos. Rio de Janeiro: FAE, 1988

ALLUÉ, Josep M. O grande livro dos jogos. Trad. Afonso Celso Gomes. Belo Horizonte: Editora Leitura, 1998
SCHILLER, Pam. 100 coisa maravilhosas para manter as crianças ocupadas e divertí-las. / Pam Schiller & Joan Rossano; [ tradução Paulo Bazaglia]. São Paulo: Paulus, 1997

SILVA, Zaly DE A.. Iniciação às Artes Plásticas no Curso Normal. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1969

MELHADO, Maria Tereza. Pré-escola: despertar para a vida / Maria Tereza Melhado, Marly de Lourdes Salomão Paula. 2ª edição. Campinas,SP: Alínea, 1998

COPAG. 50 jogos com cartas para crianças. 1ª edição. São Paulo

Comissão permanente de defesa dos direitos da criança e do adolescente. Estatuto da Criança e do Adolescente. LEI Nº 8.069/1990

FRIEDMANN, Adriana. O Direito de brincar: a brinquedoteca. [ et al.]. São Paulo: Scritta Editorial: ABRINQ, 1992

FRIEDMANN, Adriana. Brincar: Uma Viagem, Muitos Portos

FRIEDMANN, Adriana. Aliança Pela Infância no Brasil

BROTTO, Fábio Otuzi. Jogos Cooperativos: Se o importante é Competir, o Fundamental é Cooperar! 3ª edição.

HEWAVISENTI, Lakshmi. Matemática . Divertida Contas: jogos e brincadeiras. Abril Jovem: Aladdin Books 1994,1995

Publicação da Secretaria Municipal de Educação de Campinas. Educação & Liberdade. Ano II Nº02, 1996
Faça & Venda. Editora Abril, outubro: www.abril.com.br

 
Voltar