Voltar    
  O ENSINO DA LEITURA NA LITERATURA INFANTIL BRASILEIRA: A METODOLOGIA DA PERSONAGEM PROFESOR

Maria Cecilia Rizo Pereira FCT- UNESP- Programa de Pós-Graduação em Educação Campus de Presidente Prudente.

PROBLEMA
Segundo dados do IBGE, referentes a 1999, 13,3% da população brasileira, com 15 anos ou mais, é analfabeta, nunca freqüentou a escola ou têm menos de um ano de escolaridade. São dados que poderíamos considerar como significativos levando-se em conta que no final dos anos 70, apenas 49% das crianças brasileiras, entre 7 e 14 anos estavam na escola. Enquanto que em 2002, este índice atingiu 96%, tendo, portanto reduzido o percentual pela metade e dobrado o percentual de crianças em idade escolar nas salas de aula. Entretanto, faz parte das estatísticas sobre a educação brasileira causando preocupação, que apenas 26% de um universo de 2 mil brasileiros com idade entre 15 e 64 anos de idade conseguem ler e entender um livro, enquanto 74% têm problemas de leitura. Estes dados foram fornecidos pelo Instituto Paulo Monte Negro (IPM) vinculado ao Instituto Brasileiro de Opinião Pública e Estatística (IBOPE) e são coletados anualmente pelo Indicador Nacional de Alfabetismo Funcional (INAF).

O QUE ACONTECEU COM ESSAS PESSOAS QUE PASSARAM PELA ESCOLA E NÃO CONSEGUEM COMPREENDER O QUE LÊEM?
Segundo pesquisas, na área de formação de professores, o problema está na formação docente (Gebara,1997). Pois muitos professores ainda limitam o seu fazer pedagógico utilizando um único livro didático, cuja organização metodológica é pobre sugerindo um trabalho mecanizado, com atividades de interpretação, gramática, ortografia e produção de textos que não conduzem a um trabalho que permita ao aluno fazer uma leitura possibilitando-lhe a compreensão, tanto do que está escrito nas linhas, como do que está posto nas entrelinhas.
E é neste sentido que este trabalho pretende contribuir. Acreditamos que a formação do leitor passe pela leitura do texto literário. De acordo com os PCNs (1997, p.36) é importante que o texto literário esteja incorporado as práticas cotidianas da sala de aula,...discordamos do termo importante, trocaríamos a palavra importante pela palavra essencial. Para Coelho ...parece já fora de qualquer dúvida que nenhuma outra forma de ler o mundo dos homens é tão eficaz e rica quanto a que a literatura permite (2000, p.15). Entendemos a necessidade de buscar instrumentos para melhorar as práticas docentes, no que se refere ao ensino da leitura.

OBJETIVO GERAL
- Identificar a metodologia utilizada pela personagem professor no ensino da leitura na literatura infantil brasileira.
OBJETIVOS ESPECÍFICOS
- Selecionar obras da literatura infantil brasileira do 4 º período (1970 até os dias atuais) que retratem a figura do professor de séries iniciais trabalhando com leitura;
- Analisar essa metodologia dialogando com teorias que discutam leitura.
METODOLOGIA
A pesquisa é uma pesquisa bibliográfica. Estamos selecionando obras literárias infantis brasileiras do 4º período, de 1970 até os dias atuais, que retratem a figura da personagem professor de 1ª a 4ª série, trabalhando com leitura.
Para a busca das obras do período citado que retratem a figura da personagem professor trabalhando com leitura, estamos utilizando várias instâncias:
- O Dicionário Crítico da Literatura Infantil e Juvenil Brasileira da Nelly Novaes Coelho;
- As publicações da secção de bibliografia e documentação da Biblioteca Infanto-juvenil Monteiro Lobato;
- O acervo da Fundação Nacional do Livro Infantil e Juvenil (FNLIJ), no Rio de Janeiro, que recebe, cataloga e analisa toda a produção infantil publicada no país;
- Sites da Internet, específicos de literatura infantil, que além de autor, título e editora, trazem também resenhas das obras.

BILBIOGRAFIA

AGUIAR, V. e Bordini. M. G. Literatura – formação do leitor. Porto Alegre: Mercado Aberto, 1993.

ARROYO, L. Literatura infantil brasileira. São Paulo: Melhoramentos, 1990.

BRASIL. Secretaria do ensino fundamental. Parâmetros curriculares nacionais: Introdução. Brasília :MEC/SEF, 1997.

______.Parâmetros curriculares nacionais: Língua Portuguesa. Brasília: MEC/SEF, 1997.

BREMOND, C. A lógica dos possíveis narrativos. In: BARTHES, T. Análise estrutural da narrativa. Petrópolis: Vozes, 1971.

CANDIDO, A. Literatura e sociedade: estudos de teoria e história literária. 8 º ed. São Paulo: T. A. Queiroz, 2000.

COELHO,N.N. Literatura infantil brasileira: teoria, análise, didática. São Paulo: Moderna 2000.

COLOMER, T. A formação do leitor literário: narrativa do leitor infantil e juvenil atual. São Paulo: Global, 2003.

FREIRE, P. A importância do ato de ler: em três artigos que se completam. São Paulo: Cortez, 1983.

ISER. W. O ato da leitura, vol. 1 e 2. São Paulo: 34, 1996.

LAJOLO, M. Do mundo da leitura para a leitura do mundo. 6. edição São Paulo; Àtica, 2002.

MARTINS. M. H. O que é leitura? São Paulo: Brasiliense, 2003.

SILVA, E.T. O ato de ler: fundamentos psicológicos para uma nova pedagogia da leitura. 8. ed. São Paulo: Cortez, 2000.

SILVEIRA, R. M. H. (org.) Professoras que as histórias nos contam. Rio de Janeiro: DP&A, 2002.

SOUZA, R. J. Poesia infantil: concepções e modos de ensino. Tese de Doutorado em Teoria da Literatura, UNESP/Assis,2000.

ZILBERMAN, R. e LAJOLO M. Um Brasil para crianças: para conhecer a literatura infantil brasileira: histórias, autores e textos. São Paulo: Global,1988.

ZILBERMAN, R. A literatura infantil na escola. 11.ed. São Paulo: Global, 2003

 
Voltar