Poema

voltar menu revista 02

 
 ...fui-me, sem nem querer saber seus porquês,
sem nem lhe agradecer pelo bem que me fez...

PROVA DE FRANCÊS
(quase parlenda)

                                                                                        Maria do Rosário Longo Mortatti *

De passagem por minha terra natal, certa vez,
soube que lá vivia como camponês,
de olhos azuis por trás do pince-nez,
com um sorriso sempre cortês,
um solitário professor francês,
que, ao me ver, perguntou em confuso português:
— Quem é essa mulher bonita?

Ter-lhe-ia ofuscado a visão, talvez,
o mesmo sol que abrasou sua tez?
Ou estes tórridos trópicos derreteram-lhe a sensatez?
Mas não sei se por timidez,
ou por narcísea embriaguez,
fui-me, sem nem querer saber seus porquês,
sem nem lhe agradecer pelo bem que me fez:
ainda que em tardia primeira vez,
sem temer nenhum revés,
pude responder, com sentido e altivez,
àquela antiga pergunta da prova de francês:
— Je suis une belle femme!


_________________________________

* Maria do Rosário Longo Mortatti  é professora Livre-docente junto à UNESP-Marília; coordenadora do Grupo de Pesquisa "História do Ensino de Língua e Literatura no Brasil"; autora de: Leitura, literatura e escola: sobre a formação do gosto (Martins Fontes); Em sobressaltos: formação de professora (Ed. Unicamp); Os sentidos da alfabetização (São Paulo- 1876/1994) (Ed. Unesp); Educação e letramento (Ed. Unesp). Escrito mais recente:

MORTATTI, Maria do Rosário Longo. "Letrar é preciso, alfabetizar não basta ... mais?" In: SCHOLZE, Lia; ROSING, Tânia (Org.). Teorias e práticas de letramento. Brasília:INEP; Passo Fundo: Editora da UFPF, 2007, p. 155-168.

Copyright ©2007, by ALB/Campinas, SP, Brasil

 

Indique a um amigo:
Remetente:
Email Remetente:
Destinatário:
Email Destinatário: