Poema

voltar menu revista 04

 
 ... Salve as regras erradas de gente errada no poder
Salve a voz calada da juventude vendida...

 

                                                     SALVE

 

 

                                                                                       

 

                                                                           Fernanda Mazzetto Moroso*

 

 

Salve os meninos e as meninas
Salve a gente perdida naquela explosão
Salve os gritos sucumbidos nos becos sem saída
Porque eu vou embora pra nunca mais voltar
Salve o salvador usurpado pelos infiéis
Salve as malas de dinheiro,
Patrimônio dos bispos sem religião
Salve as regras erradas de gente errada no poder
Salve a voz calada da juventude vendida
E saiba que ninguém vai saber o que você sentiu se você não disse
E venha o que vier
Eu vou embora, não vou lutar contra o que não me atinge.
Mas salve os meninos que fumam pedra na esquina
Salve o medo da vida
De quem perdeu a fé
Salve a velhice dos jovens e a juventude dos velhos
Porque a liberdade conquistada, indisciplinada já conheceu a prisão
De não ter pelo que lutar
E uma vida vazia é o pior castigo que você pode carregar
Salve os mortos que ainda falam pelos vivos
Tão atuais como se fosse ontem
Quando não se podia agir, mas se podia pensar
Hoje que não se poder agir, é o povo que cansou de sonhar.

_________________________________

* Fernanda Mazzetto Moroso, 24, é catarinense e integrante da Academia Itajaiense de Letras. Seu primeiro livro publicado foi "Um feito de sentidos, poemas", aos 18 anos de idade. Autora de livros de contos, poemas e crônicas. Sua obra mais recente é "Diário de Crônicas e Outras Histórias". Atualmente, reside na cidade de Itajaí onde está se formando em Letras pela Universidade do Vale do Itajaí.

 

(Escreva para a autora contando a sua apreciação do poema aqui publicado: fmmoroso@hotmail.com )
 

 

Copyright ©2007, by ALB/Campinas, SP, Brasil

 

Indique a um amigo:
Remetente:
Email Remetente:
Destinatário:
Email Destinatário: